A vexaminosa presença da comitiva brasileira na 75ª Assembleia Geral da ONU, por Rogério Melo

A vexaminosa presença da comitiva brasileira na 75ª Assembleia Geral da ONU, por Rogério Melo

Por Rogério Melo
Para o Por Dentro do RN

Essa semana começou bastante tensa para o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), que desembarcou em Nova Iorque (Estados Unidos), no domingo passado (19), por volta das 17h40, no horário de Brasília, para participar dos eventos e reuniões da 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), onde realizaria o discurso de abertura na assembleia, na terça (21). A agenda oficial também incluiria um encontro com o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (que não aconteceu).

Sua presença por aquelas bandas não foi muito bem-vinda nem pela imprensa norte-americana (por quem cultivam profunda antipatia), nem por brasileiros residentes naquela cidade, que se manifestaram contra a comitiva brasileira em pelo menos duas situações. Os motivos das muitas polêmicas nas quais nosso chefe do executivo se envolveu se devem ao fato de declarar abertamente nunca ter se vacinado, ser um defensor do tratamento precoce contra a covid-19 (cuja eficácia nunca foi comprovada cientificamente), e de também não fazer uso da máscara como medida preventiva nos espaços públicos.

A partir daí, a viagem do presidente Bolsonaro e sua comitiva aos EUA foram seguidas por muitos outros “micos”. Talvez o maior de todos, e aquele que gerou mais memes entre os internautas foi quando ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, postou em uma rede social uma foto em que aparecem o presidente comendo pizza na rua em Nova York, antes da Assembleia Geral da ONU, ao lado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães; Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência; Marcelo Queiroga, ministro da Saúde; e o próprio ministro do Turismo.

Bolsonaro foi hostilizado até pelo prefeito da cidade de Nova Iorque, o democrata Bill Blasio, que chegou a declarar em um pronunciamento feito na segunda (20), que caso o presidente brasileiro não quisesse se vacinar, não precisaria nem ir à cidade. Nesse mesmo dia, pela manhã, Bolsonaro e sua comitiva tomaram o café da manhã no hotel onde estavam hospedados, em uma área reservada para eles, apesar da existência de uma placa informando a obrigatoriedade da apresentação do comprovante de vacinação no restaurante.

O motivo é que a cidade exige, desde 16 de agosto, que as pessoas apresentem comprovante de vacinação contra a Covid-19 para ingressar em lugares fechados, como restaurantes, cinemas, teatros e academias. Apesar disso, nenhum dos funcionários locais exigiram o documento. Apenas um encontro oficial com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, estava agendado para dia. A reunião seria para tratar sobre questões ambientais, entretanto, a vacina contra a covid-19 acabou se tornando a pauta.

No fim da segunda-feira, o grupo foi alvo de protestos de brasileiros em dois momentos diferentes: um no hotel onde a comitiva estava hospedada; e outro, em frente ao prédio onde fica o escritório brasileiro que representa o país nas Nações Unidas, durante um jantar com o embaixador brasileiro na ONU, localizado num bairro ao norte de Nova York.

Ao passarem pelos manifestantes, a comitiva foi recebida aos gritos de “genocida” e “assassino” e “fora, Bolsonaro”. Após o episódio, começaram a circular nas redes sociais um vídeo em que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se levanta do banco chacoalhando as mãos incessantemente com seus dedos médios em riste. Uma atitude, no mínimo, lamentável para um representante do Executivo Federal.

Na terça (21), pouco antes de seu discurso na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teve um breve encontro com o presidente polonês de extrema-direita, Andrzej Duda, para quem “ideologia LGBT” é pior que o comunismo.

Já durante o seu discurso que durou aproximadamente 12 minutos, o presidente Bolsonaro se posicionou contra o que vem sendo chamado de passaporte sanitário para vacinados, afirmou a não existência de corrupção no seu governo, descontextualizou informações sobre o desmatamento na Amazônia, afirmou que as manifestações ocorridas durante o 7 de Setembro foram “as maiores da história” (resta saber a qual história ele queria se referir), declarou que o desempenho econômico brasileiro está entre melhores dentre os países emergentes, e, claro, defendeu a adoção do chamado tratamento precoce contra a Covid-19.

E para fechar com chave de ouro a nossa coluna semanal, após o encontro com Boris Johnson, o ministro Queiroga anunciaria por meio de suas redes sociais ter testado positivo para a covid-19. Disse ainda que ficaria de quarentena (às nossas expensas, diga-se de passagem) nos EUA, “seguindo todos os protocolos de segurança sanitária”.

Ou seja, aqueles dedos médios em riste não foram só para os manifestantes contrários ao governo Bolsonaro em Nova Iorque, eles foram apresentados para você, leitor, que paga seus impostos para que seus representantes façam suas viagens de luxo. This is Brazil!

Foto: Rogério Melo

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Rogério Melo, que escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN

Coluna de Rogério Melo para o Por Dentro do RN (In Vino Veritas)

Rogério Melo tem 51 anos, é comunicador social, cientista social e mercadólogo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Também é mestrando em Ciência da Informação pela mesma instituição. Além disso, Rogério Melo escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN, às sextas feiras; e comenta sobre os fatos políticos do RN e do Brasil. É proibida a reprodução total ou parcial deste texto sem autorização do autor e sem a inserção dos créditos, de acordo com a Lei nº 9610/98.

Clique aqui para mais textos de Rogério Melo no Por Dentro do RN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado Vulcão Cumbre Vieja em La Palma não dá sinais de abrandamento Cocaína no Ceará tem tudo, menos o princípio ativo da droga Após infecção urinária grave, Olavo de Carvalho é internado novamente em hospital que atende pelo SUS em São Paulo Homem morre após ser picado na boca por cascavel em Mossoró