Projeto Aedes: UFRN usará drone para escolta aérea e vigilância em tempo real

Projeto Aedes inicia na UFRN

Idealizado pelo Instituto Metrópole Digital (MD), da UFRN, Projeto Aedes foi desenvolvido para auxiliar na escolta aérea aos frequentadores do Campus e na vigilância em tempo real.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) vai usar a Aeronave de Defesa Social (Aedes) na sua segurança O Aedes é um veículo aéreo não tripulado, popularmente conhecido como drone; e foi concebido pelo Instituto Metrópole Digital. De acordo com a instituição, o equipamento tem previsão para entrar em atividade a partir do próximo ano, e seu objetivo é aumentar a segurança do campus central da UFRN por meio da escolta aérea e vigilância em tempo real.

“Decola e pousa como um foguete, voa como um avião e é acionado por aplicativo como um Uber”, foram as definições da Universidade sobre o drone. Segundo a UFRN, o Projeto Aedes iniciou em 2017. No ano passado, teve o pedido de patente requerido, com o propósito de sobrevoar, como em uma patrulha policial aérea, trajetos de pedestres no campus universitário, de maneira a inibir crimes e trazer mais segurança.

A ideia inicial, de acordo com a Universidade, surgiu durante a disciplina de “Projeto de Produto V”, do bacharelado de Design da UFRN. Na ocasião, os alunos, especialmente as mulheres, afirmaram que se sentiam desprotegidos enquanto percorriam o campus universitário em determinados locais e horários, diante do risco de assaltos e outras abordagens criminosas. A inquietação serviu para a criação da primeira concepção da aeronave, o que marcou o início de anos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico.

Projeto Aedes 1
Foto: Divulgação/Metrópole Digital

Com uma versão prevista para começar a sobrevoar o campus oficialmente a partir de 2022, o Aedes traz uma operacionalização bastante similar àquela dos aplicativos de transporte urbano, como Uber e 99. No caso do drone, caso se sinta em perigo, o usuário – que deve ter acesso à plataforma Smart Campus, embutida no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) – poderá solicitar, por smartphone, a cobertura do Aedes, que vai acompanhá-lo, em tempo real, em seu deslocamento até o local (tempo médio de 30 segundos).

“Tudo isso é feito por meio de um aplicativo próprio disponível dentro da plataforma. Quando a aeronave chega até o local programado, uma câmera de target tracking (rastreamento do alvo) fixa sua lente em direção ao aparelho celular e segue o usuário – que pode estar sozinho ou em grupo”, explica a nota da Universidade.

“Tanto suas funcionalidades como seu design original, assim como a união de características específicas de outros aeromodelos, fizeram do Aedes uma invenção totalmente inovadora. Enxergando isso, o Smart Metropolis 2.0, junto à Agência de Inovação da UFRN (AGIR), abriu um pedido de patente no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) em agosto de 2020, marcando o início de uma nova fase de criação tecnológica do projeto”, complementa a UFRN.

Foto: Divulgação/Projeto Aedes/Metrópole Digital

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

MAIS LIDAS DO DIA

Assine nossa Newsletter

Casas Bahia abre vagas para PCD no Nordeste São João em Natal: Edição 2024 será mais modesta, diz prefeito Pesquisa Prefeitura de Natal 2024: Carlos Eduardo lidera levantamento do Instituto Seta MPRN recomenda que governo do RN não aumente salários nem faça concursos para evitar colapso fiscal Midway Mall comemora 19 anos com sorteio de três BYD zero quilômetro e desfile de moda Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal