Captura e comercialização do caranguejo-uçá estão proibidas até o próximo dia 8 de janeiro no RN - Por dentro do RN
Captura e comercialização do caranguejo-uçá estão proibidas até o próximo dia 8 de janeiro no RN

Captura e comercialização do caranguejo-uçá estão proibidas até o próximo dia 8 de janeiro no RN

O primeiro período de defeso do caranguejo-uçá começou nesta segunda-feira (3.jan.2022) no Rio Grande do Norte, o que significa que a captura e comercialização dessa espécie ficam proibidas até o próximo sábado (8.jan.2022). Em 2022, o período de defeso do caranguejo-uçá ocorrerá em outras quatro datas diferentes nas fases da lua nova e lua cheia, entre fevereiro e março.

De acordo com a portaria 325/2020, publicada pela secretaria de Agricultura e Pesca do Ministério do Meio Ambiente (Mapa), esse período de proibição coincide com o momento em que macho e fêmea saem de suas tocas e andam pelo manguezal para o acasalamento e liberação dos ovos, garantindo a continuidade da espécie.

A portaria determina ainda que é proibido capturar, transportar, beneficiar, industrializar e comercializar o animal. A proibição vale para o Rio Grande do Norte e outros 10 estados nas regiões Norte e Nordeste – Amapá, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.

Se não houver o período de defeso, as espécies estariam vulneráveis à pesca predatória, reduzindo o número de indivíduos e comprometendo a perpetuação do caranguejo-uçá, que tem grande importância ecológica e socioeconômica.

As pessoas físicas e empresas que atuam na captura, transporte, beneficiamento, industrialização e comercialização do caranguejo-uçá nos estados citados deverão declarar até um dia útil antes de cada período de defeso a relação detalhada dos estoques de animais vivos, congelados, pré-cozidos, cozidos, inteiros ou em partes.

A declaração detalhada dos estoques está descrita na portaria e pode ser entregue nas superintendências federais de Agricultura, Pecuária e Abastecimento ou por meio eletrônico, acompanhada de documento de identificação com foto do declarante. Quando se tratar de Unidade de Conservação Federal, a declaração deverá ser entregue no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

O caranguejo-uçá é um crustáceo encontrado ao longo de toda a costa brasileira. Ele se alimenta basicamente de folhas do mangue. O crescimento é caracterizado pela muda da carapaça. A reprodução é sexuada e ocorre em períodos de luas nova e cheia, caracterizados por marés de grande amplitude.

A espécie tem um papel fundamental para reciclagem do manguezal, transformando as folhas em material que fornece nutrientes para outros organismos da cadeia alimentar. É também uma importante fonte de renda para famílias que comercializam os caranguejos inteiros ou beneficiados, contribuindo com a economia da região.

Foto: Divulgação/Ibama

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Morre Marília Mendonça após acidente aéreo; veja fotos CINCO deputados do RN votam pelo furo do teto de gastos Após rompimento de parceria com o Flow Podcast, hackers invadem iFood, trocam nome de restaurantes e dão apoio a Bolsonaro Azul mira compra da Latam Airlines e visa à criação de gigante sul-americana Homem se dá mal após tentar jogar drogas pela janela em Mossoró Adolescente de 16 anos é suspeito de matar os próprios irmãos, de 2 e 4 anos, no Rio de Janeiro Preço da gasolina sobe 47% em 2021 e já custa R$ 7,29 em Natal após novo reajuste Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado Vulcão Cumbre Vieja em La Palma não dá sinais de abrandamento Cocaína no Ceará tem tudo, menos o princípio ativo da droga