Wizard será conduzido coercitivamente - Por dentro do RN
Wizard

Wizard será conduzido coercitivamente

Ministro Barroso também autorizou a apreensão do passaporte de Carlos Wizard, suspeito de integrar o ‘gabinete paralelo’ do Governo Federal.

O ministro do STF, Luís Roberto Barroso, acatou ontem (18) o pedido de condução coercitiva do empresário Carlos Wizard Martins, que é suspeito de integrar o ‘gabinete paralelo’ do Governo Federal. A autorização ocorre após o empresário faltar o depoimento à CPI do Senado, que investiga se houve omissão deliberada no combate à pandemia do novo coronavírus no Brasil.

Wizard, que deveria ter se apresentado na última quinta-feira (17), faltou o depoimento e não deu qualquer justificativa. Porém, de acordo com a defesa do empresário, ele está nos Estados Unidos acompanhando uma pessoa da família em um tratamento médico. Luís Roberto Barroso também autorizou a apreensão do passaporte de Carlos Wizard.

Diante da ausência do empresário, o senador Omar Aziz, do PSD amazonense, requereu a condução coercitiva e a apreensão do passaporte de Wizard. Além disso, os integrantes da CPI da Covid aprovaram a quebra do sigilo telefônico e bancário do empresário, cuja retenção do passaporte já foi determinada pela Justiça Federal de Campinas (SP) que, ainda na sexta-feira (18), determinou a ação da Polícia Federal em endereços ligados a Wizard.

Defesa de Wizard tenta impedir condução coercitiva do empresário

A fim de evitar a condução coercitiva de Wizard, a defesa do empresário tentou, sem sucesso, a autorização para que Carlos Wizard pudesse chegar ao Brasil “sem se submeter àquelas ilegais ordens exaradas e, assim, comparecer à sessão que a autoridade vier a designar para sua oitiva, caso ainda tenha interesse”. Após o requerimento da defesa, o ministro Luís Roberto Barroso precisou avaliar o mérito da questão.

Decisão de Barroso é favorável à CPI e contrária à defesa

Ao analisar o caso, Barroso entendeu que as medidas determinadas pela CPI estão em “harmonia” com a decisão dele sobre o empresário poder ficar em silêncio. O ministro do STF frisou, no entanto, que se houver “abuso de qualquer espécie” Wizard poderá acionar o Supremo. Na prática, a decisão do ministro também permitiu a apreensão do passaporte para viabilizar o comparecimento do empresário à CPI.

“O atendimento à convocação configurava uma obrigação imposta a todo cidadão, e não uma mera faculdade jurídica”, escreveu o ministro sobre a ida do empresário à CPI.

Foto: Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

É #FAKE que o Midway Mall vai cobrar pelo estacionamento Como consultar valores a receber com o Banco Central Morre Marília Mendonça após acidente aéreo; veja fotos CINCO deputados do RN votam pelo furo do teto de gastos Após rompimento de parceria com o Flow Podcast, hackers invadem iFood, trocam nome de restaurantes e dão apoio a Bolsonaro Azul mira compra da Latam Airlines e visa à criação de gigante sul-americana Homem se dá mal após tentar jogar drogas pela janela em Mossoró Adolescente de 16 anos é suspeito de matar os próprios irmãos, de 2 e 4 anos, no Rio de Janeiro Preço da gasolina sobe 47% em 2021 e já custa R$ 7,29 em Natal após novo reajuste Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado