Caso Sikêra Jr: empresas abandonam publicidade na “TV A Crítica” após ataques homofóbicos de apresentador

Sikêra Jr

Empresas abandonaram publicidade em TV amazonense por causa dos ataques homofóbicos de Sikêra Jr. na emissora. MRV, TIM e Hapvida estão entre as empresas.

Após Sikêra Jr. atacar homossexuais e engajados na causa LGBTQIA+ como “raça desgraçada”, a TV A Crítica, afiliada à RedeTV! No Amazonas, já começa a ver a debandada de patrocinadores que não querem mais vincular suas marcas aos absurdos ditos pelo apresentador do Alerta Nacional. A primeira delas foi a MRV, cujo dono é o mesmo da CNN Brasil e anunciava no programa comandado por Sikêra Jr. no Amazonas. Em nota divulgada, a construtora disse “não querer mais investir no Alerta Nacional e em nenhum outro programa da RedeTV!”.

De acordo com a nota, “a MRV acredita na diversidade e não compactua com qualquer forma de preconceito. O programa Alerta Amazônia/Nacional já não faz mais parte dos nossos planos de mídia”, disse a empresa. Outra marca que não ficou satisfeita com os disparates do apresentador foi a empresa de telefonia italiana Tim, que encerrou o acordo com a emissora ainda na semana passada.

Também em nota publicada, a empresa diz que, “desde a semana passada, realizamos a suspensão da veiculação, que é automática pela plataforma de anúncio, nesse canal. Reforçamos que a Tim mão está ligada a movimentos, nem compactua com disseminação de notícias falsas e discursos de ódio”, disse. A maior empresa de planos de saúde do Norte e Nordeste, a Hapvida, também resolveu não dar continuidade aos acordos publicitários que tinha com Sikêra Jr. e com a TV A Crítica, do Amazonas.

Em nota divulgada, a Hapvida diz “não apoiar forma alguma de preconceito, seja social, de credo, raça, gênero ou orientação sexual”, e diz ainda que, “no momento, estão suspendendo o patrocínio do Alerta Amazonas”, pois “sempre trabalham por uma sociedade mais saudável”, conclui a empresa.

Entenda como Sikêra Jr. culminou na saída de patrocinadores da “TV A Crítica” do Amazonas

Conforme noticiado pelo Por Dentro do RN no sábado, o apresentador do “Alerta Geral”,da TV Amazonas, atacou homossexuais após o comercial em apoio à causa LGBTQIA+ ser aprovado pela rede de fast food Burger King. Ao atacar ações afirmativas para os grupos LGBTQIA+, diz que os defensores da causa são um “bando de raça do cão, tudo maconheiro”.

Ainda de acordo com o apresentador, os representantes do grupo LGBTQIA+ são considerados apenas “homens ou mulheres”; e, quando alguém “se diz mulher e na verdade é homem”, essa pessoa “faz exame de próstata do mesmo jeito porque não tem pra onde ir”.

Meio político reagiu aos ataques homofóbicos do apresentador

O discurso de ódio contra a comunidade LGBTQIA+, proferido por Sikêra Jr. para a audiência da RedeTV amazonense, não passou batido no meio político. A deputada federal do PT do Rio Grande do Norte, Natália Bonavides, anunciou que irá acionar o apresentador do “Alerta Nacional” no Ministério Público Federal.

Para Bonavides, não resta dúvidas de que o “apresentador foi homofóbico em canal aberto. O que ele falou é crime através de qualquer veículo”. A deputada petista ainda chamou atenção para o fato de que um apresentador utilizou uma concessão pública para atacar minorias. “Representaremos ao Ministério Público Federal! LGBTfobia não passará!”, conclui em uma publicação no Twitter.

Assine nossa Newsletter

Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês Rita de Cássia conseguiu doador de pulmão, mas pandemia impediu transplante