Pesquisa revela que 54% dos alunos brasileiros têm baixo nível de criatividade

Pesquisa revela que 54% dos alunos brasileiros têm baixo nível de criatividade

De acordo com o estudo do Pisa, o Brasil está na 44ª posição entre os 56 países analisados. Educadora defende ensino das artes como caminho para a criatividade

Uma pesquisa divulgada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apontou que 54,3% dos estudantes brasileiros de 15 anos têm baixo nível de criatividade. Foi a primeira vez que o exame mediu a criatividade dos estudantes e o resultado deixa o Brasil na 44ª posição entre os 56 países analisados, atrás de outras nações latino-americanas, como Uruguai, Colômbia e Peru.

A pesquisa faz parte do Programa Estadual de Avaliação de Estudantes (Pisa, sigla em inglês para Programme for International Student Assessment) e visa identificar os lugares com melhores resultados a fim de associar pensamento criativo aos currículos escolares. De maneira geral, revelou que os alunos no Brasil apresentaram ideias óbvias e tiveram dificuldades de propor mais de uma solução para problemas simples.

exemplo de questao criatividade pisa
Exemplo de questão aplicada pelo Pisa para avaliar a criatividade dos alunos. (Imagem: Reprodução/Pisa)

Por outro lado, estudantes que participam de atividades de artes, teatro e escrita criativa tiveram melhor desempenho. “A escola tem um papel fundamental nesse processo. Aqui na Casa Escola, por exemplo, defendemos que a ludicidade é um ingrediente indispensável para promover aprendizagens, dar vazão à criatividade e, por isso, promovemos didáticas e metodologias que vão além de ensinar conteúdos”, ressalta a diretora Priscila Griner.

Uma das questões aplicadas pelo Pisa pedia ao aluno para criar três títulos diferentes para a imagem de um livro enorme em um jardim. O exame previa que alunos de nível 1 ou 2 apresentassem títulos mais simples e literais, como “O livro gigante”. Já as respostas criativas trariam, de acordo os examinadores, adjetivos menos óbvios – como “A árvore solitária” ou “A trilha escrita”.

Para Priscila Griner, “ver além do literal faz parte de um exercício artístico que precisa ser estimulado desde cedo. Por isso, a arte é tão importante. Através dela, o aluno desenvolve uma capacidade maior de fazer relações, de se tornar mais sensível, de aprender a contemplar, de extrair significados mais amplos e de obter uma visão mais crítica sobre o mundo a fim de transformá-lo em um mundo melhor”, pontua a educadora.

O estudo do Pisa revelou, ainda, que alunos com maior status socioeconômico tendem a ter melhor desempenho em pensamento criativo em comparação a jovens que vivem em situação de vulnerabilidade social. Em média, a diferença foi de 9,5 pontos. Além disso, as meninas demonstraram maior criatividade em relação aos meninos – 31% delas e 23% deles conseguiram atingir o nível 5 de proficiência (considerado alto).

Foto: Divulgação

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

MAIS LIDAS DO DIA

Casas Bahia abre vagas para PCD no Nordeste São João em Natal: Edição 2024 será mais modesta, diz prefeito Pesquisa Prefeitura de Natal 2024: Carlos Eduardo lidera levantamento do Instituto Seta MPRN recomenda que governo do RN não aumente salários nem faça concursos para evitar colapso fiscal Midway Mall comemora 19 anos com sorteio de três BYD zero quilômetro e desfile de moda Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal