Não há progresso sem autoperdão, por Mariana Pires - Por dentro do RN
Não há progresso sem autoperdão, por Mariana Pires II

Não há progresso sem autoperdão, por Mariana Pires

Por Mariana Pires
Para o Por Dentro do RN

Compartilhar a minha história e os meus sentimentos têm me dado a oportunidade de conhecer outras histórias que se conectam com as minhas; e até outras histórias de vida que me ensinam mais do que já pude viver. Nessa troca de experiências e energia, observei o quanto possuímos o potencial para nos transformar e criar algo maior por nós mesmos e, ao mesmo tempo que sentimos essa força, é perceptível o quanto estamos dispostos a andar com um chicotinho na mão para nos punir sempre que temos oportunidade.

Deixe eu explicar melhor: você já parou pra se atentar a esse sentimento? Se sentir capaz de conquistar o mundo inteiro, seguir aquele chamado que vem de dentro de nós e afirma que somos capazes de fazer coisas difíceis, mas, ao mesmo tempo que alimentamos o sentimento de “quero muito realizar algo positivo e construtivo” e o vendemos de forma muito verdadeira para o mundo, também nos paralisamos por acreditar, lá em nosso íntimo, que somos merecedores da realidade em que estamos hoje, de estar no exato lugar em que estamos. É como se estivéssemos nos punindo por erros cometidos e decisões ruins que tomamos no passado; e, na verdade, nós estamos fazendo isso.

Notei que esse autojulgamento, além de ser muito comum entre nossas histórias, acaba sendo o principal fator paralisante das nossas ações hoje; e ele nos impede de abraçar a nossa versão do passado e aceitá-la como ela realmente é. Com isso, ficamos presos ao sentimento de culpa por não ter tido a maturidade suficiente para ser mais assertivo em determinada época ou até mesmo no presente. Inconscientemente, alimentamos esse sentimento diariamente; e ele acaba por fazer parte desde as pequenas até as grandes decisões de nossas vidas.

Alimentar esse autojulgamento é como contratar uma prestação de serviços que você não precisava, ter uma experiência ruim e se punir como forma de recompensa. E esse comportamento rapidamente se torna um hábito que aos poucos vai minando as nossas ações e o nosso senso de merecimento. Louco isso, né?

Isso tudo só me confirmou algo que já vinha observando no decorrer das nossas trocas: não há mudanças externas legítimas sem que antes a gente faça as pazes com o nosso interior, com a nossa biografia, de forma intencional e cirúrgica.

Não há ferramentas de gestão de tempo e planejamento que promovam resultados se não estivermos livres para promover mudanças. Precisamos deixar a nossa antiga versão apenas como um instrumento de consulta de aprendizados; e não há progressos sem autoperdão.

Podemos considerar esse o primeiro grande passo para o nosso crescimento: o autoperdão chega pra fazer morada quando entendemos que, por mais difícil que seja aceitar nossas antigas versões, nada seríamos hoje se não tivéssemos passado por elas. Ter o hábito de remoer situações passadas não muda o presente, pelo contrário, nos transforma em uma âncora.

É preciso dar um desconto e evitar esse perfeccionismo nocivo e aceitar o fato de que não há refinamento ou excelência sem que antes a gente caia e arranque a tampa do joelho várias vezes. Faz parte da capacidade natural do corpo humano regenerar tecidos, então porque ser tão insensíveis com nós mesmos?

Perdoar-se pela imaturidade das versões passadas, decisões ruins e comportamentos tóxicos é uma forma de regenerar o amor e a gentileza por nós mesmos. Só conseguimos doar aquilo que aceitamos como parte positiva de nós; e qualquer coisa de diferente disso é apenas uma idealização criada para vender algo que a gente não é.

Liberamos espaço para criar uma nova perspectiva de vida, nos colocamos no lugar de merecimento, nos responsabilizamos por nossas escolhas e unimos esse repertório como recurso para abrirmos caminhos que antes não conseguíamos enxergar. Não é sobre romper, é sobre andar de mãos dadas.

Foto: Ilustração

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Mariana Pires, colunista do Por Dentro do RN

Mariana Pires Por Dentro do RN Gestão de Pessoas

Mariana Pires tem 29 anos, é formada em Gestão de Recursos Humanos pela UnP. Apaixonada por Desenvolvimento de Pessoas, atua como RH e como consultora na área de Organização Pessoal, promovendo liberdade através da criação de rotinas leves e produtivas.

Siga Mariana Pires também no Instagram: @marianapires.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Morre Marília Mendonça após acidente aéreo; veja fotos CINCO deputados do RN votam pelo furo do teto de gastos Após rompimento de parceria com o Flow Podcast, hackers invadem iFood, trocam nome de restaurantes e dão apoio a Bolsonaro Azul mira compra da Latam Airlines e visa à criação de gigante sul-americana Homem se dá mal após tentar jogar drogas pela janela em Mossoró Adolescente de 16 anos é suspeito de matar os próprios irmãos, de 2 e 4 anos, no Rio de Janeiro Preço da gasolina sobe 47% em 2021 e já custa R$ 7,29 em Natal após novo reajuste Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado Vulcão Cumbre Vieja em La Palma não dá sinais de abrandamento Cocaína no Ceará tem tudo, menos o princípio ativo da droga