Mariana Pires - Leia mais da autora no Por dentro do RN

Mariana Pires

Mariana Pires Por Dentro do RN Gestão de PessoasMariana Pires tem 29 anos, é formada em Gestão de Recursos Humanos pela UnP. Apaixonada por Desenvolvimento de Pessoas, atua como RH e como consultora na área de Organização Pessoal, promovendo liberdade através da criação de rotinas leves e produtivas.

Não há progresso sem autoperdão, por Mariana Pires II

Não há progresso sem autoperdão, por Mariana Pires

Por Mariana Pires
Para o Por Dentro do RN

Compartilhar a minha história e os meus sentimentos têm me dado a oportunidade de conhecer outras histórias que se conectam com as minhas; e até outras histórias de vida que me ensinam mais do que já pude viver. Nessa troca de experiências e energia, observei o quanto possuímos o potencial para nos transformar e criar algo maior por nós mesmos e, ao mesmo tempo que sentimos essa força, é perceptível o quanto estamos dispostos a andar com um chicotinho na mão para nos punir sempre que temos oportunidade.

Deixe eu explicar melhor: você já parou pra se atentar a esse sentimento? Se sentir capaz de conquistar o mundo inteiro, seguir aquele chamado que vem de dentro de nós e afirma que somos capazes de fazer coisas difíceis, mas, ao mesmo tempo que alimentamos o sentimento de “quero muito realizar algo positivo e construtivo” e o vendemos de forma muito verdadeira para o mundo, também nos paralisamos por acreditar, lá em nosso íntimo, que somos merecedores da realidade em que estamos hoje, de estar no exato lugar em que estamos. É como se estivéssemos nos punindo por erros cometidos e decisões ruins que tomamos no passado; e, na verdade, nós estamos fazendo isso.

Notei que esse autojulgamento, além de ser muito comum entre nossas histórias, acaba sendo o principal fator paralisante das nossas ações hoje; e ele nos impede de abraçar a nossa versão do passado e aceitá-la como ela realmente é. Com isso, ficamos presos ao sentimento de culpa por não ter tido a maturidade suficiente para ser mais assertivo em determinada época ou até mesmo no presente. Inconscientemente, alimentamos esse sentimento diariamente; e ele acaba por fazer parte desde as pequenas até as grandes decisões de nossas vidas.

Alimentar esse autojulgamento é como contratar uma prestação de serviços que você não precisava, ter uma experiência ruim e se punir como forma de recompensa. E esse comportamento rapidamente se torna um hábito que aos poucos vai minando as nossas ações e o nosso senso de merecimento. Louco isso, né?

Isso tudo só me confirmou algo que já vinha observando no decorrer das nossas trocas: não há mudanças externas legítimas sem que antes a gente faça as pazes com o nosso interior, com a nossa biografia, de forma intencional e cirúrgica.

Não há ferramentas de gestão de tempo e planejamento que promovam resultados se não estivermos livres para promover mudanças. Precisamos deixar a nossa antiga versão apenas como um instrumento de consulta de aprendizados; e não há progressos sem autoperdão.

Podemos considerar esse o primeiro grande passo para o nosso crescimento: o autoperdão chega pra fazer morada quando entendemos que, por mais difícil que seja aceitar nossas antigas versões, nada seríamos hoje se não tivéssemos passado por elas. Ter o hábito de remoer situações passadas não muda o presente, pelo contrário, nos transforma em uma âncora.

É preciso dar um desconto e evitar esse perfeccionismo nocivo e aceitar o fato de que não há refinamento ou excelência sem que antes a gente caia e arranque a tampa do joelho várias vezes. Faz parte da capacidade natural do corpo humano regenerar tecidos, então porque ser tão insensíveis com nós mesmos?

Perdoar-se pela imaturidade das versões passadas, decisões ruins e comportamentos tóxicos é uma forma de regenerar o amor e a gentileza por nós mesmos. Só conseguimos doar aquilo que aceitamos como parte positiva de nós; e qualquer coisa de diferente disso é apenas uma idealização criada para vender algo que a gente não é.

Liberamos espaço para criar uma nova perspectiva de vida, nos colocamos no lugar de merecimento, nos responsabilizamos por nossas escolhas e unimos esse repertório como recurso para abrirmos caminhos que antes não conseguíamos enxergar. Não é sobre romper, é sobre andar de mãos dadas.

Foto: Ilustração

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Mariana Pires, colunista do Por Dentro do RN

Mariana Pires Por Dentro do RN Gestão de Pessoas

Mariana Pires tem 29 anos, é formada em Gestão de Recursos Humanos pela UnP. Apaixonada por Desenvolvimento de Pessoas, atua como RH e como consultora na área de Organização Pessoal, promovendo liberdade através da criação de rotinas leves e produtivas.

Siga Mariana Pires também no Instagram: @marianapires.

O que eu quero sentir em 2022 Um novo olhar sobre sua criação de metas, por Mariana Pires

O que eu quero sentir em 2022? Um novo olhar sobre sua criação de metas, por Mariana Pires

Por Mariana Pires
Para o Por Dentro do RN

Esperança: esse é o sentimento que povoa nosso coração quando começamos um novo ano. Aquela vontade ardente de deixar no ano anterior todas as frustações, todos os erros e até a nossa falta de comprometimento em muitos momentos. Viramos o ciclo, festejamos, e, de repente, é dia 2 de janeiro e tudo retoma seu devido lugar – as rotinas, as metas, as cobranças, o trabalho, os projetos, as realizações.

Nesse intervalinho de alguns dias de festejos e descanso, idealizamos uma realidade diferente da que já temos, prometemos a nós mesmos que haverá uma virada de chave e que agora ninguém nos tira do foco das nossas metas. Mas, que metas?

Aquelas que nós deixamos apenas no campo das ideias, não organizamos, não planejamos, não criamos micro metas e pensamos internamente “- Ah, planejar pra quê? Se tudo irá permanecer do mesmo jeito?”. Carregamos só a esperança e desejo de ter uma realidade diferente, porém, sem as ações necessárias. É um sentimento bem comum que, automaticamente, nos sabota. Não colocamos a devida fé em nossa capacidade de construir coisas maiores.

Sabemos que podemos, mas não alimentamos esse potencial por acreditar que, no fundo, não somos merecedores de tantas realizações. Mas estou aqui para te dizer que sim, você não é apenas merecedora de grandes realizações como também é muito capaz de construir tudo o que esse desejo ardente do teu coração fala todos os dias, baixinho, só pra você.

Antes mesmo de começar a colocar milhões de metas no papel para realizar em 2022, eu te convido a pensar junto comigo; quero te propor uma reflexão antes de, definitivamente, darmos o start; um exercício de visão, bora? Quero que você pare o que está fazendo nesse momento. Onde você estiver, fique numa posição confortável, feche os olhos e respire fundo algumas vezes até se sentir o corpo relaxado.

Quero que olhe pra si, como se estivesse sentada na sua frente e se pergunte: “O que desejo sentir esse ano?” Em seguida, comece a visualizar como se sente ao praticar cada hábito que quer implementar na sua rotina e visualize como se sente vivendo esse processo de mudanças.

Visualize como está cuidando da sua saúde, como está trabalhando e como está sendo sua relação com a família. Crie a imaginação de tudo o que você estará fazendo e vai perceber o quanto se aproxima do que deseja ser. Não imagine apenas imagens estáticas, imagine as ações. Tente sentir os movimentos, ouvir as palavras que fala e que ouve.

Qual transformação sente que está acontecendo com você?

Visualize a sua nova versão sendo atualizada diariamente, sem neuras, sem cobranças excessivas, praticando cada tarefa sem sentir pressa, consciente de que aquele ato é uma parcela importante para o seu crescimento. Nem devagar, nem rápido, mas no seu tempo. Como se sente agora que se visualizou vivendo diariamente uma versão mais presente e mais focada do que você é hoje?

Quero te propor um compromisso no momento que for sentar, refletir e transferir seus objetivos e metas para o papel. Vamos substituir o “o que eu quero ter” por “o que eu quero sentir” ao viver o processo de conquista dos seus objetivos. Qual a vida que você quer ter?

Antes de começar a criação metas altas e implementar todas elas na sua rotina de forma engessada, por que não refletir sobre qual vida você deseja ter e direcionar a construção da sua rotina baseada nessa reflexão?

Antes de se comprometer com números, se comprometa com o que deseja sentir no percurso da sua trajetória de realização, não apenas focar na sensação da conquista. Rotina é sobre construção diária e não há linha de chegada sem o compromisso de realizar um esforço todos os dias. Se a meta está na rotina, é porque se faz necessário e tem uma motivação maior. Sendo assim, por que não tornar a rotina mais prazerosa e conseguir se manter presente nas sensações que ela provoca?

Afinal, são os sentimentos cultivados e transformados dentro de si que irão proporcionar os aprendizados dos desafios, impulsionar as novas mudanças e te lembrar de mantê-los firmes mesmo nos dias em que a motivação não vem.

Foque em construir rotinas significativas e não só apenas no alcance de metas em números. Quem é você na linha de chegada do seu destino? O que mudou em você? É hora de se pergunta: qual é o meu ‘para quê’? Vai além da visão do que você deseja ter.

De onde vêm os seus objetivos e seus projetos? Cuidado para não ser aquela pessoa que sonha o sonho dos outros. Tem muita gente que vai no automático e segue a maioria, ou simplesmente quer o que o outro quer sem pensar se aquilo está alinhado com o seu propósito. Se comprometa a se ouvir, a se entender e ao que verdadeiramente deseja.

Quando extraímos esse néctar, passamos a ter mais clareza do que faz sentido para nós, mais encorajadas de começar mudanças sem medo de parar no caminho e mais focadas em se manter firme ao compromisso. Lembre-se: planejamento importa, mas é ferramenta. Não é ponto de partida. Comece sendo fiel a si mesma.

Foto: Ilustração

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Mariana Pires, colunista do Por Dentro do RN

Mariana Pires Por Dentro do RN Gestão de Pessoas

Mariana Pires tem 29 anos, é formada em Gestão de Recursos Humanos pela UnP. Apaixonada por Desenvolvimento de Pessoas, atua como RH e como consultora na área de Organização Pessoal, promovendo liberdade através da criação de rotinas leves e produtivas.

Siga Mariana Pires também no Instagram: @marianapires.

O fim é, sobretudo, ir, por Mariana Pires

O fim é, sobretudo, ir, por Mariana Pires

Por Mariana Pires
Para o Por Dentro do RN

Eu sempre tive dificuldade de entender o que significava ter ciclos na vida. Por qual razão precisávamos estar nesse movimento de entrar e sair, de ir e vir. Por qual motivo precisávamos mudar o que parecia está em perfeito funcionamento. Mudar as amizades. Mudar a profissão. Mudar os ambientes. Mudar os parceiros. Mudar as etapas.

Embora eu tivesse dificuldade de entender, sempre aceitei da forma como tudo isso era imposto e não forçava a barra para permanecer; aceitava, mas não me contentava em apenas aceitar.

Nunca fui uma pessoa conformista, gosto de ir a fundo pra entender o porquê de certos acontecimentos em minha vida. Acredito que há um motivo real e significativo por trás de tudo que nos move; e finalizar ciclos importantes tinha uma atenção maior nos meus questionamentos.

O engraçado é que passei quase uma vida inteira me questionando pelos motivos errados. Eu tentava entender o que havia faltado acrescentar, o que eu havia deixado de fazer, como se essa fosse a única justificativa. Procurar erros em mim era a minha forma de lidar com a impermanência das coisas. Mas a vida, desde o seu nascimento, é cíclica.

Quando nascemos e aprendemos a falar, vamos para a escola. Fazemos amizades, aprendemos o princípio de tudo e, quando já observemos tudo que havia de importante naquele lugar, somos chamados a ir adiante. Entramos na faculdade. Novas amizades, novos conteúdos, novas visões.

Saímos da faculdade e começamos nossa trajetória profissional, onde já não temos mais a certeza de habitar em apenas um lugar, somos convidados a desapegar-se dos fim dos ciclos e viver o que eles proporcionam em sua curta (ou não) estadia. Da mesma forma são com as amizades, são com os relacionamentos amorosos e com tudo que compõe as fases da vida.

A vida é finita por si só. Ela sabe exatamente onde começar e onde concluir as suas fases e essa é a moradia da sua grandiosidade. Depois de despertar para a finitude como algo natural da vida, passei a entender a impermanência das coisas como uma oportunidade de construir algo maior para mim.

Ora, se tudo tem o seu momento de encerrar, o que vou fazer para tornar o tempo vivido em uma experiência transformadora para mim e para quem compartilha desse ciclo? Entende? Não é sobre evitar viver por saber que terá um fim. É por se permitir viver e construir algo significativo pra você justamente por saber que terá um fim.

Umas das sensações mais libertadoras que existem é quando perdemos o medo de perder, isso faz com que nos entreguemos por completo aquele momento, aquela fase.

Isso não significa que não será doloroso e que será mais fácil. Permita sentir tristeza pelo fechamento de um ciclo sem que isso signifique que foi uma escolha errada ou que não deu certo o que viveu. Fazer escolhas coerentes com os nossos valores e com as nossas visões também não são fáceis, vamos senti-las da mesma forma, não deixa de ter novas adaptações.

O luto faz parte desse processo e vivê-lo de forma genuína o deixará mais leve para seguir, mesmo não achando que está pronto. É ressignificar os momentos e abstrair o aprendizado que levará consigo para a próxima fase. O nosso medo mora no desconhecido, no que vem depois do fim. Tememos em perder o controle, onde alimentamos uma falsa sensação de segurança e estabilidade. Preferimos o que é previsível.

E quando os ciclos são especiais, que criaram lindas memórias, seu fim também será sentido na mesma intensidade e abrir mão deles também não significa que fez a escolha errada, mas que deseja viver novas experiências, sentir novas sensações, construir algo maior que aquele espaço já não proporcionava mais.

Nada é fixo ou permanente: a vida não é linear.

Entendi que os altos e baixos são sinais que nos mostram onde precisamos colocar nossa atenção, como um gerador de mudanças. Os finais acontecerão independentemente das nossas escolhas, independentemente do quanto estamos apegados e enraizados em determinados lugares. A vida segue seu fluxo, flui naturalmente e fornece formas de você acompanhá-la.

É muito mais sobre (re)começos: o final é apenas um ritual de passagem que materializa o nascimento de algo maior que está por vir e por vezes, é algo que você já havia desejado e manifestado. Além de cíclica, a vida é feita de trocas. É preciso abrir mão da gostosa sensação de sentir no controle e dançar conforme a música.

As finalizações de um ciclo é um chamado para sair da inércia. Quase que um empurrão que a vida te dá impulsionando a experimentar sensações mais intensas e completas, até mesmo de construir algo que sua capacidade de realizar ainda não havia sido testada.

É preciso estar aberto às mudanças. Está confiante de que o novo trás consigo uma experiência mais transformadora do que a que se encerrou. Confiar em si, confiar na vida. É possível dividir o medo do novo com a esperança de mudanças positivas. Essa dualidade aguça a percepção, nos mantém atentos a sentir com presença e clareza tudo que ela nos provoca.

Há beleza nas disrupturas. É quando você é apresentado a versões de si mesmo que não teria acesso se não tivesse passado pelos encerramentos. É quando você se transforma e conhece potencialidades que estavam guardadas esperando o momento de se manifestarem.

Você pode não está entendendo tudo, mas abrace seus ciclos. Acredite que está tudo bem em ser provocada – você está crescendo, se conhecendo, ampliando seus tetos.

Faça sua parte: ceda a necessidade de ter controle e usufrua da liberdade de sentir e criar sua própria realidade. O novo só chegará a quem está aberto para recebê-lo. Permita que a vida atue na sua especialidade: transmutar.

Ao final, nunca foi sobre o fim, e sim sobre o (re)começo.

Foto: Reprodução

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Mariana Pires, colunista do Por Dentro do RN

Mariana Pires Por Dentro do RN Gestão de Pessoas

Mariana Pires tem 29 anos, é formada em Gestão de Recursos Humanos pela UnP. Apaixonada por Desenvolvimento de Pessoas, atua como RH e como consultora na área de Organização Pessoal, promovendo liberdade através da criação de rotinas leves e produtivas.

Siga Mariana Pires também no Instagram: @marianapires.

Tudo ou nada, por Mariana Pires

Tudo ou nada, por Mariana Pires

Por Mariana Pires
Para o Por Dentro do RN

“Querer é poder, basta ter força de vontade”… Se você já ouviu isso, com certeza se perguntou onde estava errando na hora de tirar os seus planos do papel ou de manter a constância necessária para colocar em prática aquilo que você planeja, não foi? Se você quer ter uma vida abundante e prospera em qualquer âmbito, basta querer e se empenhar para que os seus desejos se tornem tangíveis.

Não considero que essa visão esteja errada, mas você já se perguntou o que existe entre “o basta querer” e a “concretização das suas metas”? Qual o caminho será percorrido? O que será preciso ser feito e o que deve ser priorizado? Por último, mas não menos importante: como tudo isso será realizado?

Quando, finalmente, nos conectamos a um objetivo maior de crescimento pessoal e profissional, tendemos a traçar metas muito robustas e tentamos implementá-las a qualquer custo, com aquela ideia de que você está promovendo mudanças positivas e significativas na sua vida. A impressão de que fazer o “o muito, o grandioso” transmite a sensação de dever cumprido.

Você embarca nessa jornada esperançoso de que a constância será sua nova e mais forte parceira de caminhada, mas, em curto prazo, você começa a sentir o peso de mantê-la no mesmo ritmo acelerado com as metas que determinou lá no começo, não é mesmo?

Sabe por quê?

Porque nos cobramos excessivamente para provar a nós mesmos ou aos outros que somos capazes de realizar. Saímos de um estilo de vida que foi o nosso padrão de comportamento por anos e queremos mudá-lo em poucas semanas, poucos dias. No final das contas, o anseio pelo resultado final é muito mais intenso e evita que desfrutemos o que o processo de aprendizagem tem a oferecer.

Não consideramos que temos uma cultura que nos acompanhou a vida inteira, não consideramos que oscilamos diariamente, que teremos dias com mais energia e dias com menos energia, não consideramos que esse é um processo de mudanças e, como o próprio nome define, é a transição de um ciclo antigo para um ciclo novo.

Há um tempo necessário para maturação desse processo até que você consiga abraçá-lo com total aceitação e e torná-lo parte natural da sua rotina. O problema está em impor para si mesmo, engolindo no seco que deve realizar e ponto.

Essa atitude tira de cena todo o contexto significativo que te levou a promover a sua mudança e passa a se tornar um corrida contra você mesmo; quando, na verdade, deveria ser uma parceria movida pela gentileza.

Que tal fazermos um exercício?

  1. Você nunca foi pra academia ou foi praticante de exercícios físicos. Decide mudar e começar. Logo de cara, coloca uma meta de ir a academia todos os dias, pelo menos 1h por dia.
  2. Você não tem o hábito da leitura e coloca como meta essa prática. Inicia a meta para ler um ou dois livros por mês, pelo menos 10 páginas por dia.

Nesses dois exemplos, você acredita que foram metas realistas? Você acredita que uma pessoa que nunca teve esses dois hábitos inseridos na sua rotina, consegue realizá-los na primeira tentativa e mantêm sua constância?

Vivemos nos tempos do “Tudo ou Nada”

  • Se for para fazer apenas 20 minutos de exercício, melhor não fazer nada.
  • Se for para ler apenas duas páginas do livro por dia, melhor nem começar.

Percebe que nós queremos o muito, o resultado final, sem nem ao menos nos expor ao começo do processo e se comprometer em honrar o essencial? E é experimentando várias formas de executar a mesma tarefa que você vai entender como melhor funciona o seu tempo e o seu melhor momento de produzir.

O excesso de expectativa na realização das metas gera um excesso de autocobrança; e, como resultado, vai te deixar paralisado ou paralisada. Você deseja promover grandes mudanças, mas não entende e respeita a própria constância.

Constância é algo individual e tem mais a ver com manter o nosso ritmo, em nosso tempo: devagar e sempre; e ela é diferente para cada pessoa. Para mim, Mariana Pires, 30 minutos de academia é me manter constante; para você, isso pode significar ir duas ou três vezes na semana. Não há um padrão homogêneo.

Comprometa-se com a velocidade com a qual você consegue caminhar e de acordo com a sua realidade, velocidade esta que você consiga manter. Você não tem de seguir o ritmo de outras pessoas a ponto de se comparar com elas ou sentir-se atrasada diante de um progresso que não é o seu: tenha propósito e mantenha-se constante, independentemente da velocidade.

Lembre-se: o nosso maior gasto de energia está no início do processo de mudanças. Desistir em poucas tentativas faz com que gastemos mais energia na hora de recomeçá-lo. Inicie as suas metas de forma realista e experimente outras formas de realizá-las. Além disso, esteja atento à maneira com a qual você produz cada tarefa. É experimentando as novas abordagens de executar suas tarefas que você entenderá qual o seu ritmo produtivo.

Saia dos extremos sobre “produzir demais” ou “viver procrastinando” e busque o meio termo, o equilíbrio necessário para que mudanças significativas apareçam sem que você fique sobrecarregada de autocobrança. Lembre-se também de que grandes progressos começam com a execução eficiente daquilo que é essencial. O diferencial vem quando alcançamos a excelência de fazer aquilo que é básico.

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Mariana Pires, colunista do Por Dentro do RN

Mariana Pires Por Dentro do RN Gestão de Pessoas

Mariana Pires tem 28 anos, é formada em Gestão de Recursos Humanos pela UnP. Apaixonada por Desenvolvimento de Pessoas, atua como RH e como consultora na área de Organização Pessoal, promovendo liberdade através da criação de rotinas leves e produtivas.

Uma conversa real sobre a cultura do bem estar, por Mariana Pires

Uma conversa real sobre a cultura do bem estar, por Mariana Pires

O bem estar legítimo parte da eliminação daquela lista interminável de tarefas ‘saudáveis’ que não fazem sentido algum pra você e que são ditadas por terceiros.

Por Mariana Pires
Para o Por Dentro do RN

Há uma cultura enraizada de que, se você faz muitas coisas ao longo do seu dia, você é ‘produtivo’ e tem resultados significativos; mas o que muitos não entendem é que há uma linha bem tênue entre o ‘posso fazer tudo’ e o ‘posso fazer DE tudo’.

Entender essa distinção é a chave para ter uma vida saudável. Para quem nunca praticou hábitos saudáveis, como esta que vos escreve, ou até mesmo não entendeu o quão importante são para alcançar resultados, sente que é um objetivo quase impossível de atingir. Ter uma rotina saudável e equilibrada parece coisa de outro mundo.

Confesso que sempre achei muito bonito aquelas pessoas que tinham uma rotina cheias de atividades. Lembro-me até de achá-los mais importantes porque aparentavam ter uma vida mais ocupada que a minha. E eu, que sempre fui tão desorganizada, olhava para tudo aquilo e via uma realidade distante de mim, uma realidade tão impossível de acontecer.

Eu não tinha visão, não tinha minhas próprias opiniões sobre determinados assuntos. Andava com pessoas que tinham hábitos tão ruins quanto os meus e a mesma visão de rotina que a minha. Sempre sonhei alto, no fundo eu queria ser uma daquelas pessoas que tinham a vida bem ocupada, preenchidas de atividades importantes.

Com o passar dos anos, me distanciei de algumas pessoas, busquei novas oportunidades de trabalho, foquei na construção de uma carreira, busquei crescimento profissional, que naturalmente é o campo que mais colocamos atenção nas nossas vidas. Sempre tive uma postura muito proativa e ousada, mas embora tivesse certa facilidade para tomar iniciativas sobre mudanças e melhorias no meu trabalho, a minha falta de organização pessoal e até mesmo a negligência que coloquei em outros campos da minha vida não me deram os resultados que tanto idealizei.

Demorei muito tempo para entender isso; e precisei passar por diversas situações de fracasso até parar e decidir voltar o olhar para mim e buscar entender o que estava deixando de fazer e onde eu precisaria mudar e melhorar. Para uma pessoa centralizadora, admitir que parte do não sucesso provém da falta de organização e de uma vida de hábitos ruins não é exatamente a coisa mais fácil de aceitar. Mas cá estamos, fazendo a necessária autocrítica.

Quando se quer muito conquistar um objetivo maior, é preciso olhar para as situações com um olhar muito transparente e franco sobre si e sobre as circunstâncias, aceitar o que precisa ser mudado e se comprometer com isso; e é aí que começa todo o processo de autodesenvolvimento. Quando, finalmente, temos o mínimo de clareza do que precisamos promover mudanças, começamos a buscar conhecimento e a melhorar os nossos hábitos: é um mergulho profundo e legítimo na mudança de estilo de vida.

O bem estar legítimo parte da mudança de mentalidade

O início de todo processo de autoconhecimento e desenvolvimento do nosso bem estar traz consigo um misto de sentimentos entusiasmados, cheio de grandes expectativas e uma sede ferrenha por resultados rápidos. Mas paremos para raciocinar: ora, se estou fazendo uma mudança radical na minha vida, não seria justo cobrar por resultados imediatos a curto prazo?

Nessa sede por esses resultados, a gente mergulha na busca por conteúdos de profissionais de diversas áreas, compra livros e cursos, faz imersões e desafios, inicia um casamento firme e forte com a vida fitness, faz meditação todos os dias, faz yoga, lê algumas páginas de um livro diariamente, estuda uma hora, faz a própria comida saudável, tem um momento com a família, cuida dos filhos, confere e reorganiza o planejamento para o outro dia, organiza todas as demandas da casa para começar o dia mais livre, é ativa nas redes sociais, se faz presente nas amizades, tem os momentos de lazer; e, não menos importante, ainda temos de ter os nossos momentos de autocuidado.

A gente inicia essa transição de estilo de vida enchendo nossas agendas de atividades que estão ‘na moda’ e que todo mundo que tenta se mostrar bem resolvido e feliz diz fazer. E não para por aí, a gente encaixa todas elas de uma única vez para serem feitas no dia e ainda se compromete a mantê-las a qualquer custo no cronograma, ainda que isso deixe tudo mecânico.

Chega o final do dia e temos duas sensações:

  1. Estou cansada, mas consegui fazer tudo e estou realizada;
  2. Estou cansada, não consegui fazer tudo e me sinto culpada por não cumprir o que planejei.

Você já se viu em alguma dessas situações?

Você não tem a sensação de que as práticas que nos ajudariam a criar hábitos saudáveis e uma vida mais leve e com mais significados acaba se transformando em uma exaustiva competição de quem é mais produtivo, de quem tem um estilo de vida mais atrativo que o outro?

A consequência disso é que chegamos em um momento em que a gente passa a realizar tudo no piloto automático. O que antes eram práticas que ajudavam no autodesenvolvimento, na conexão com nós mesmos, no aumento da performance e dos resultados, passam a ser uma obrigação diária de manter o mesmo ritmo dos outros dias. Quando não conseguimos cumprir tal agenda, é inevitável o sentimento de fracasso.

Ficamos para ‘trás’ em comparação com a rotina ‘perfeita’ das pessoas que idealizamos perfeitas. Com isso, é inevitável que não nos perguntemos: E vem a pergunta mais cobiçada dos últimos tempos: ‘como dar conta de tudo isso?’.

Com a mudança obrigatória que foi preciso promover em nossos estilos de vida, nos fizeram acreditar que deveríamos cumprir listas enormes de afazeres ‘saudáveis’ se quiséssemos acreditar que estávamos fazendo de algo importante por nós mesmos, nos cuidando de verdade.

A realidade é que criamos uma performance a ser realizada sem considerar as nossas emoções e nos forçamos a cumprir tudo mesmo sem estar nos sentindo bem. Fixamos nessa ideia de ter uma rotina saudável a qualquer custo e nem percebemos que mantê-la dessa forma pode está sendo tóxico pra nós.

Bem estar baseado no faça menos, mas faça por você

O conceito de ter uma vida saudável e produtiva está diretamente ligada ao significado e qualidade do que promovemos, não da quantidade de afazeres que realizamos. Não precisamos criar uma lista infinita de tarefas a serem feitas no dia e desafiar nossos próprios limites saudáveis para ter a satisfação de ter uma vida saudável e chegar ao final do dia completamente esgotado.

Para ter uma rotina saudável e mais leve, elimine aquela lista interminável de tarefas ‘saudáveis’ que não fazem sentido algum pra você. Escolha um ou dois rituais para serem feitos diariamente e dedique-se a eles com intenção. Viva esses momentos com presença e sinta como pequenos gestos podem fazer uma grande diferença no seu dia.

Pare de tentar fazer tudo com a ilusão de ser produtivo e passe a fazer o necessário com intenção e presença. Você vai perceber que o pouco feito com qualidade te proporcionará muito mais benefícios e bem estar. Você não precisa cumprir milhares de tarefas que não gosta para se sentir bem consigo mesmo; e isso não te faz inferior ou melhor do que ninguém, além de resguardar a sua saúde mental e a sua energia para o que realmente importa.

Faça menos, mas faça por você!
Seu desenvolvimento é uma caminhada e crescer demanda tempo e consistência.

Foto: Ilustração/Pinterest

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Mariana Pires, colunista do Por Dentro do RN

Mariana Pires Por Dentro do RN Gestão de Pessoas

Mariana Pires tem 28 anos, é formada em Gestão de Recursos Humanos pela UnP. Apaixonada por Desenvolvimento de Pessoas, atua como RH e como consultora na área de Organização Pessoal, promovendo liberdade através da criação de rotinas leves e produtivas.

Morre Marília Mendonça após acidente aéreo; veja fotos CINCO deputados do RN votam pelo furo do teto de gastos Após rompimento de parceria com o Flow Podcast, hackers invadem iFood, trocam nome de restaurantes e dão apoio a Bolsonaro Azul mira compra da Latam Airlines e visa à criação de gigante sul-americana Homem se dá mal após tentar jogar drogas pela janela em Mossoró Adolescente de 16 anos é suspeito de matar os próprios irmãos, de 2 e 4 anos, no Rio de Janeiro Preço da gasolina sobe 47% em 2021 e já custa R$ 7,29 em Natal após novo reajuste Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado Vulcão Cumbre Vieja em La Palma não dá sinais de abrandamento Cocaína no Ceará tem tudo, menos o princípio ativo da droga