Famílias se sentem mais seguras no retorno às aulas após vacinação contra a covid-19

Famílias se sentem mais seguras no retorno às aulas após vacinação contra a covid-19

Desde o 15 de janeiro deste ano, a vacinação contra a covid-19 vem sendo realizada também em crianças de 5 a 11 anos. Com o recente retorno às aulas presenciais, as famílias esperavam pelas doses da vacina para terem mais segurança nesse recomeço, principalmente em relação às crianças com comorbidades, como é o caso de Sophia Helena, 8 anos, aluna do 3º ano da Casa Escola, vacinada desde o dia 18 do mês passado.

A mãe de Sophia, a advogada Hannah Dantas, diz que a família esperava ansiosa por essa imunização: “Sophia é do grupo de risco, tem diabetes tipo I. Percebemos, durante a pandemia, que ela sentiu muita falta da convivência na escola, a vacinação foi a esperança do seu retorno, uma vitória para a ciência”, comemora.

A preocupação das famílias não é em vão. Isso porque, de acordo com dados do Ministério da Saúde, a covid-19 é a segunda maior causa de mortes de crianças de 5 a 11 anos no Brasil, ficando atrás apenas dos acidentes de trânsito.

Nesta fase escolar, principalmente nos primeiros anos de ensino, as crianças estão em contato umas com as outras o tempo todo e podem ser agentes de transmissão da covid-19 para os familiares. Por isso, a coordenadora do curso de Enfermagem da Estácio Natal, Karolyne Mirapalheta, alerta sobre a importância da vacinação das crianças nesse retorno às aulas.

“Em virtude da presença de células de memória, uma criança vacinada consegue que seu sistema imune atue de maneira mais rápida, evitando que a doença se desenvolva. Assim sendo, a vacina atua como um agente preventivo. É considerada uma forma de imunização ativa, pois estimula o organismo a produzir substâncias de defesa. Daí, se tem a necessidade da vacinação nas crianças na fase escolar para não serem disseminadores de patologias”, explica a coordenadora.

Vacinação infantil e segurança no ambiente escolar

Para Hannah, a vacinação da filha deixa a família mais tranquila em relação às aulas presenciais e ao contato de Sophia com outras crianças. “Mesmo sendo a primeira dose, estamos bem mais seguros do que antes, mas continuamos alertas. Notamos o quanto ela ficou muito feliz em retornar à escola, rever os colegas e voltar a praticar atividades físicas, que era o que ela sentia mais falta”, conta a mãe.

Nas escolas também é possível perceber essa segurança, como explica a coordenadora da Educação Infantil da Casa Escola, Claudiana Ferreira. “Desde o início das aulas, com a vacinação infantil, sentimos que os pais estão mais confiantes com o retorno às aulas presenciais. A vacina trouxe mais segurança para as famílias que deixam seus filhos na escola, um espaço interativo, de socialização e contato”, comenta.

Claudiana também explica que a escola, por seguir os protocolos de biossegurança contra a covid-19, sempre foi um lugar seguro para os alunos. “Sempre incentivamos e reforçamos a importância do uso de máscaras, da higienização das mãos e do distanciamento. A vacinação veio reforçar esse cuidado, esse zelo com a saúde da criança e de seus familiares”, conclui a profissional.

Foto: Divulgação

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês