Guedes considera que alta da inflação é mundial e não tem a ver com Bolsonaro

Guedes considera que alta da inflação é mundial e não tem a ver com Bolsonaro

Na avaliação do ministro da Economia, Paulo Guedes, a alta da inflação que o Brasil sofre não é problema exclusivo do país, mas algo mundial, que afeta a todas as nações. A declaração do ministro foi dada nesta sexta-feira (11.mar.2022). Para ele, o presidente Jair Bolsonaro (PL) não deve ser responsabilizado pelas altas.

“Vejam, a inflação é mundial, não tem nada a ver ‘ah, o governo Bolsonaro’. Não. O mundo sofreu um choque adverso”, considerou Guedes. Sua fala aconteceu durante uma cerimônia no Palácio do Planalto, na ocasião em que o Governo lançou o novo programa do governo voltado à produção nacional de fertilizantes.

Ainda na avaliação de Guedes, o Brasil está crescendo menos este ano exatamente por “ter agido antes”. O ministro lembrou que o governo reduziu o déficit fiscal e que o Banco Central subiu os juros para enfrentar a inflação antes de outros países. “A inflação vai subir de novo ano que vem? Não. Vai descer porque agimos primeiro”, considerou. Segundo ele, o governo está controlando a inflação por meio do corte de tributos.

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês