Venezuela e Guiana se reúnem para tentar reduzir tensões sobre Essequibo

Venezuela e Guiana se reúnem para tentar reduzir tensões sobre Essequibo

Presidentes dos dois países, Maduro e Ali se reúnem em meio a tensões sobre disputa de fronteira

Em meio a altas tensões sobre a disputa envolvendo a área de fronteira de Essequibo, potencialmente rica em petróleo, os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Guiana, Irfaan Ali, se reunirão nesta quinta-feira (14.dez.2023) em São Vicente e Granadinas.

O desacordo sobre a região de selva, com 160 mil quilômetros quadrados (km²), existe há décadas, mas a Venezuela reativou sua reivindicação, incluindo áreas offshore nos últimos anos, após grandes descobertas de petróleo e gás.

A disputa está sendo julgada pela Corte Internacional de Justiça, embora uma decisão final possa demorar anos. Os eleitores da Venezuela rejeitaram este mês a jurisdição do tribunal e apoiaram, em plebiscito, a criação de novo estado.

A Guiana questionou a participação na votação e disse que sua fronteira terrestre não está em discussão. Analistas políticos em Caracas consideram o plebiscito uma tentativa de Maduro de avaliar o apoio ao seu governo antes das eleições presidenciais de 2024, e não um primeiro passo para invasão.

O primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, que também atua como presidente pro tempore da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), deve ser o anfitrião da reunião.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Yván Gil, disse que espera que a reunião ajude a “relaxar as tensões” e “diminuir a agressividade do discurso da Guiana”.

Irfaan Ali, da Guiana, afirmou que seu país defenderá a soberania e fronteiras, e que a Venezuela deve diminuir o ritmo de seus avanços em relação à Guiana.

A reunião ocorre em um momento de crescente tensão entre os dois países. Na semana passada, Maduro disse que autorizaria a exploração de petróleo em Essequibo, o que provocou a ira de Ali.

As áreas offshore são responsáveis pela totalidade da produção de petróleo na Guiana, cuja economia está em expansão graças à produção, que deve dobrar para mais de 1,2 milhão de barris por dia até 2027.

A Exxon Mobil, uma das principais empresas que operam na região, disse que não vai a lugar nenhum e que continuará a desenvolver os recursos de forma eficiente e responsável.

A empresa também negou as alegações do governo de Maduro de que estaria envolvida no financiamento de um complô para prejudicar o plebiscito.

A reunião entre Maduro e Ali é uma oportunidade para os dois países tentarem encontrar uma solução pacífica para a disputa, que já dura décadas. No entanto, as expectativas para uma resolução rápida são baixas.

Foto: Aboodi Vesakaran/Pexels

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Midway Mall comemora 19 anos com sorteio de três BYD zero quilômetro e desfile de moda Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar