Natal é a capital do Nordeste com maior número de adultos diagnosticados com depressão

Natal é a capital do Nordeste com maior número de adultos diagnosticados com depressão

Pesquisa aponta que mulheres são mais afetadas e que acesso à rede de atenção psicossocial ainda é um desafio

Uma pesquisa do Ministério da Saúde divulgada nesta quarta-feira (12.jan.2024) aponta que Natal registrou um aumento de 1,4% nos casos de depressão em dois anos. Em 2023, a capital potiguar tinha 13,2% de adultos com a doença, o que representa cerca de 117 mil pessoas. Em 2021, o percentual era de 11,8%.

O estudo também mostrou que as mulheres são as mais afetadas pela doença. Em 2023, elas representavam 17,3% dos casos de depressão diagnosticados em Natal, enquanto homens respondiam por 8,5%.

Fatores que contribuem para o aumento dos casos

Segundo a psicóloga Sarah Oliveira, preceptora do Instituto Santos Dumont, existem alguns fatores que podem contribuir para o aumento dos casos de depressão em Natal. Ela cita a maior procura por atendimentos terapêuticos, principalmente devido à pandemia, quando a conscientização sobre saúde mental foi um tópico frequentemente debatido.

“Temos os fatores contextuais, nossas histórias de vida, nossos contextos sociais, fatores socioeconômicos, o fator conhecimento, de saber que você pode buscar ajuda, tudo isso tem um peso muito importante. O aumento desses números, apesar de poder chocar, ao mesmo tempo significa que as pessoas estão buscando mais essa ajuda, então esse é um fator a ser levado em consideração”, explica.

A psicóloga acrescenta que a ausência de uma rede de apoio, aspectos que envolvem qualidade de vida individual e o adoecimento crônico são também características que aumentam a chance do desenvolvimento de uma doença mental.

Desafios para o tratamento

Mesmo com o aumento nos casos de depressão, Oliveira reforça que ainda existem barreiras para o tratamento da doença. O acesso à rede de atenção psicossocial, apesar de ser garantido por lei, apresenta dificuldades. Há uma demanda alta de pacientes, acima da capacidade de atendimentos, o que, para a profissional, implica em um cenário de subnotificação de diagnósticos e representa um dos principais obstáculos para o cuidado de pessoas com depressão.

“São comuns casos em que o acesso à psicoterapia aconteça com menos frequência do que o necessário, ou que o diagnóstico seja dado por outras especialidades. O usuário não consegue chegar ao psiquiatra para que se iniciem outros tipos de intervenções. Quando o usuário continua exposto ao que influencia esse transtorno, isso se torna uma dificuldade a mais quando essa pessoa começa, eventualmente, a intervenção”, avalia.

Cuidado em rede

A psicóloga Sarah Oliveira destaca a importância da rede de apoio para o cuidado de pessoas com depressão. Ela explica que a socialização de informações sobre a doença e sobre as possibilidades de tratamento, principalmente dentro de ciclos de amigos, família e colegas, é fundamental para “ventilar” a ideia de desmistificação da depressão.

“É importante que a gente tenha uma rede de apoio que fale sobre isso. Falar sobre depressão é muito importante, para que entendamos que se trata de um adoecimento e que há várias possibilidades de tratamento. Não basta que a pessoa procure ajuda, mas que nesse entorno, ela tenha esse acolhimento, esse cuidado dos familiares, do companheiro, dos filhos”, pontua.

Janeiro Branco

O primeiro mês do ano marca a campanha do Janeiro Branco, voltado para discutir a conscientização sobre saúde mental e emocional. Em todo o país, a busca por mobilização envolve múltiplos agentes, desde organizações e instituições até profissionais da saúde e membros da sociedade civil, no reforço ao cuidado e prevenção de doenças como depressão, ansiedade, pânico, transtornos de humor e outras condições psíquicas.

A quebra de estigmas e o incentivo ao diálogo são os principais pontos de atuação da campanha. Mais informações podem ser acessadas no Instituto Janeiro Branco.

CVV

O Centro de Valorização da Vida (CVV) presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo e anonimato. Os contatos com o CVV são feitos pelos telefones 188 (24 horas e sem custo de ligação).

Foto: Ascom ISD/Ilustração

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês