Verão aumenta risco de viroses e infecções intestinais

Verão aumenta risco de viroses e infecções intestinais

Obstetra alerta para aumento de casos entre gestantes neste período. Cuidados com desidratação advinda dessas doenças pode evitar consequências mais sérias

Férias escolares, veraneio, muita praia e banho de mar. Para muita gente, o calor do verão e a temporada do início do ano representam uma mudança brusca na rotina. Com a alimentação não é diferente, já que nesse período também é comum consumir refeições fora de casa, a exemplo dos alimentos crus, crustáceos e frutos do mar. Diante dessa realidade, é importante ficar atento aos riscos oferecidos pelas viroses e infecções intestinais: doenças cuja incidência aumenta, de modo significativo, nos períodos de muito calor.

“A transmissão das viroses intestinais se dá principalmente por via fecal-oral, tanto na forma indireta, por água e alimentos, quanto na direta, por contato pessoa a pessoa”, explica a médica filiada à Associação de Ginecologia e Obstetrícia do RN (SOGORN) Ana Cristina de Araújo. Ela esclarece ainda, que as intercorrências intestinais podem ser contraídas pelo consumo de alimentos com a presença de vírus ou bactérias, geralmente presentes em comidas expostas, que, em razão do calor, podem sofrer um rápido processo de deterioração. “As principais recomendações médicas é evitar o consumo de comidas, e principalmente frutos do mar crus, alimentos expostos à temperatura ambiente por muito tempo, e ambientes com moscas, comidas com molhos, principalmente com produtos lácteos, que facilmente podem favorecer a proliferação bacteriana ou viral e causar doença. Então se uma comida está muito tempo exposta às moscas, ela pode ser o veículo de contaminação mais fácil”, orienta.

As altas temperaturas e os riscos de contaminação por viroses e infecções intestinais acendem o alerta para as gestantes, população que sofre mais com o quadro e necessita de atenção especial, segundo a obstetra. “Durante a gravidez, as viroses levam a vômitos mais frequentes, geralmente associados a quadros de diarreia e podem levar rapidamente à desidratação. Essa desidratação pode ter influência direta no quadro geral da gestante, com moleza, sonolência e pode até levar à redução momentânea do líquido amniótico do bebê. Com isso, é importante que, no momento em que começarem os vômitos e as diarreias de difícil controle, a gestante procure atendimento médico para fazer uma avaliação clínica e possível hidratação, via venosa, com recuperação mais rápida que a hidratação oral, repondo líquidos e sais minerais. Além disso, a paciente deve restringir alimentos de difícil ingestão e lácteos”, esclarece.

Para lidar com a diarreia, sintoma característico das infecções intestinais, a médica aconselha que deve ser evitado o uso de medicamentos que visam parar essa reação. “O quadro de diarreia precisa ser entendido como um processo de limpeza. Caso necessário, pode ser usado antibiótico para tratar a infecção, associado à reposição de líquidos e sais minerais, e principalmente a água”, explica.

Quanto ao risco oferecido ao bebê pelas infecções intestinais adquiridas na gestação, a obstetra tranquiliza. “Não há um risco grave para o bebê de morte. Mas há um risco de queda do líquido amniótico, quando a gestante tem quadro importante de vômito e diarreia. E aí, a consequência maior da infecção é que a gestante fica muito espoliada (desnutrida) e isso pode espoliar (desnutrir) o bebê. Mas uma infecção direta, de uma gastroenterite levar uma infecção ao bebê não é comum”, observa.Para que as gestantes possam aproveitar o melhor do verão com saúde e qualidade de vida, Dra. Ana Cristina de Araújo traz recomendações importantes: “Em síntese, deve-se evitar o uso de alimentos suspeitos, e caso adoeça, o primeiro passo para o diagnóstico é avaliar o quadro geral e a característica dos vômitos e diarreia, como número e duração, características das fezes (consistência e presença de sangue ou muco), frequência e volume das evacuações, associação da diarreia a vômitos, dor abdominal, febre (duração), tenesmo (tentativa dolorosa de evacuar), cãibras. Isso com tratamento adequado”, finaliza.

Foto: Divulgação

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês