Rogério Melo

Coluna de Rogério Melo para o Por Dentro do RN (In Vino Veritas)

Rogério Melo tem 51 anos, é comunicador social, cientista social e mercadólogo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Também é mestrando em Ciência da Informação pela mesma instituição. Escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN, às sextas feiras; e comenta sobre os fatos políticos do RN e do Brasil.

O 11 de setembro e a 'Fakeada no Coração do Brasil', por Rogério Melo

O 11 de setembro e a ‘Fakeada no Coração do Brasil’, por Rogério Melo


Por Rogério Melo
Para o Por Dentro do RN

No dia 11 de setembro, último sábado, aquele que talvez tenha sido o maior atentado da história da humanidade completou 20 anos. Estamos falando dos ataques suicidas realizados por quatro aviões da Boeing (dois 757 e dois 767, dois da American Airlines e dois da United Airlines), que decolaram dos aeroportos de Boston, Newark e Washington, causando quase 3.000 mortes nos Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001. Naquela manhã, ambos os voos tinham como destino o estado da Califórnia. No entanto, eles jamais chegariam aos seus destinos.


Dominado por 5 sequestradores, o voo 11 da American Airlines, com 11 tripulantes e 76 passageiros, colidiu com a Torre Norte do World Trade Center, em Nova York, às 8h46. Apenas 17 minutos depois, o avião que fazia o voo 175 da United, com 9 tripulantes, 51 passageiros e 5 terroristas, colidiu com a Torre Sul. Às 9h37 daquela mesma manhã, todos ainda tentávamos processar tudo o que estava acontecendo, quando foi a vez do avião que fazia o voo 77 da American Airlines colidir contra o Pentágono, prédio do Departamento de Defesa dos EUA, em Washington. Nele, viajavam 6 tripulantes, 53 passageiros e 5 sequestradores.

Exatamente 26 minutos depois, às 10h03, a aeronave que realizava o voo 93 da United Airlines, que tinha como alvo o Congresso norte-americano, mas caiu perto de Shanksville, na Pensilvânia, depois que alguns dos 7 tripulantes e 33 passageiros que estavam sob custódia de 4 terroristas tentaram reassumir o controle do avião. Ao todo, somaram-se 77 minutos, tempo suficiente para que 19 terroristas da Al-Qaeda conseguissem marcar para sempre a história, no séc. XXI, com maior e mais ousado atentado terrorista de todos os tempos. O saldo total de mortos foi de 2.996, diretamente relacionado às ações terroristas. Porém, suas marcas perduram até os dias de hoje.

BOLSONARO E ADÉLIO, UMA FAKEADA NO CORAÇÃO


Não obstante, essa data não ficará marcada somente pelo aniversário de duas décadas do atentado, o último sábado foi marcado também pelo lançamento de um documentário, cujo principal objetivo é o de reescrever o fato político responsável pela ascensão de à presidência do então deputado Federal Jair Messias Bolsonaro, ocorrido em 06 de setembro de 2018, em Juiz de Fora, quando sofreu um atentado durante um comício que promovia sua campanha eleitoral para a presidência do Brasil.

O documentário, intitulado “Bolsonaro e Adélio – Uma fakeada no coração do Brasil” é o resultado de uma longa pesquisa elaborado pelo jornalista investigativo Joaquim de Carvalho, pelo cineasta Max Alvim e pelo cinegrafista Eric Monteiro, com produção da TV 247 e financiamento coletivo de seus assinantes e apoiadores. Publicado no dia seguinte, domingo (12), no YouTube, já mais de 1 milhão de visualizações. Durante aproximadamente 1 hora e 45 minutos, o jornalista Joaquim de Carvalho apresenta uma narrativa de que facada sofrida por Jair Bolsonaro, em 2018, durante sua visita à cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, teria sido forjada, objetivando despertar o clamor público ao fato.


Mas os golpes sofridos pelo presidente durante essa semana não pararam por aí. Um grupo de juristas coordenado pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior entregou nesta terça-feira (14) à CPI da Covid um relatório sobre os possíveis crimes de responsabilidade cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro, durante a pandemia. O relatório servirá para embasar o senador Renan Calheiros (MDB-AL) na conclusão dos trabalhos da CPI, que deverá ser entregue no próximo dia 23.

Os crimes de responsabilidade, segundo a Constituição, são a condição por meio da qual um presidente da República pode ser submetido a um processo de impeachment. A comissão de juristas responsáveis pela elaboração do citado relatório sugere o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro cometeu crimes contra a humanidade, a saúde, a administração e a paz pública, infringindo medidas sanitárias preventivas e praticando charlatanismo, incitação ao crime e prevaricação durante a pandemia de coronavírus.


“A responsabilidade penal do presidente da República é a do mandante, organizador e dirigente da conduta de seus subordinados, em especial do ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Portanto, a resposta penal pode ser agravada. Para além da prática dos crimes comuns, também está demonstrada responsabilidade penal individual do presidente, do ministro Eduardo Pazuello e, pelo menos, da médica Mayra Pinheiro Correia, pelos crimes contra a humanidade analisados”, conclui o relatório.

Foto:

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Rogério Melo, que escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN

Coluna de Rogério Melo para o Por Dentro do RN (In Vino Veritas)

Rogério Melo tem 51 anos, é comunicador social, cientista social e mercadólogo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Também é mestrando em Ciência da Informação pela mesma instituição. Além disso, Rogério Melo escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN, às sextas feiras; e comenta sobre os fatos políticos do RN e do Brasil. É proibida a reprodução total ou parcial deste texto sem autorização do autor e sem a inserção dos créditos, de acordo com a Lei nº 9610/98.

Clique aqui para mais textos de Rogério Melo no Por Dentro do RN.

Das bravatas às gravatas no Dia da Independência, por Rogério Melo

Das bravatas às gravatas no Dia da Independência, por Rogério Melo

Por Rogério Melo
Para o Por Dentro do RN

Na terça-feira passada, 07, dia em que se comemora a Independência do Brasil, manifestantes saíram às ruas em pelo menos setenta (70) cidades brasileiras para declararem seu apoio ao Governo Federal, segundo apontam as estimativas de seus organizadores.

Os manifestantes saíram em carreata até os respectivos pontos de concentração previamente definidos, exibindo cartazes pedindo o “fechamento do Congresso Nacional”, as adoções do “voto impresso” e de um “tribunal militar”, a “exoneração de todos os ministros do STF”, a “intervenção das Forças Armadas” e a consequente instauração de um “Estado de Sítio” no país, bem como outras ilegalidades que afrontam o Estado Democrático de Direito, cujas leis [pelo menos teoricamente] são criadas pelo povo e para o povo, a fim de respeitar a dignidade da pessoa humana tão violada em tempos de Ditadura Militar.

Apesar da recomendação das principais lideranças nacionais de esquerda para que se evitassem as manifestações, naquele dia, os atos contra o governo também marcaram presença nas ruas para protestar contra o descontrole da inflação, a alta taxa desemprego, os altos preços dos combustíveis, da energia elétrica e da cesta básica; contra a recessão econômica, e pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

Para as lideranças de esquerda, o motivo era evitar o confronto direto entre o “Grito dos Excluídos” e os bolsonaristas, que insuflados pelas declarações abertas do presidente em apoio ao armamento de seus aliados, pudesse resultar até mesmo em mortes. Entretanto, a despeito das tensões provocadas pelos discursos inflamados da população, as polícias militares dos estados não registraram nenhuma ocorrência digna de nota.

O presidente também voltou à pauta do voto impresso, criticando o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, contudo, sem fazer qualquer menção ao seu nome. Importante aqui destacar sobre o arquivamento do Projeto de Emenda Constitucional do voto impresso (PEC 135/2019) na Câmara dos Deputados, votada no dia 10 em agosto, que representou uma derrota para o governo Bolsonaro para quem o sistema de votação por meio da urna eletrônica é fraudulento, se eximindo de apresentar quaisquer provas que corroborem com suas levianas afirmações.

Partindo de uma percepção ampliada falsamente a todos os brasileiros, afirmou para os presentes: “Não podemos admitir um sistema eleitoral que não fornece qualquer segurança. Nós queremos eleições limpas, democráticas, com voto auditável e contagem pública dos votos. Não podemos ter eleições onde pairem dúvidas sobre os eleitores. Não posso participar de uma farsa como essa patrocinada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral”, disse Barroso.

Flopou

Um fato chamou a atenção de lideranças oposicionistas, que se manifestaram nas redes sociais sobre os atos de 7 de setembro, foi a baixa adesão por parte de manifestantes pró-governo, nos quais era esperada a participação de um público pelo menos 95% superior ao verificado, tanto na Esplanada dos Ministérios, em Brasília; quanto na Avenida Paulista, em São Paulo. Segundo Tweetdeck, um aplicativo de mídias sociais, que integra mensagens do Twitter e do Facebook, a hashtag #flopou entrou nos trending topics das redes durante a tarde.

O verbo “flopar” é um estrangeirismo utilizado por jovens para se referirem aos eventos que não conseguem alcançar o público almejado pelos seus organizadores. “Flopar”, portanto, se origina do termo, em inglês flop, podendo ser traduzido como “fracasso”. O termo figurou entre os termos mais buscados no Google, ainda durante a tarde, segundo o Google Trends.

Na Esplanada dos Ministérios, a estimativa de público de 150 mil pessoas, o que equivaleria a 5% do público previsto pelos manifestantes pró-Bolsonaro, segundo informação não oficiais fornecidas pelo jornal Valor Econômico aos demais veículos de imprensa.

Já em São Paulo, o público esperado pelos organizadores oscilaria em torno de 2 ou 3 milhões de pessoas, segundo informação passada à Polícia Militar, numa reunião ocorrida, no dia 31 de agosto. No entanto, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) daquele estado estima um público em torno de 125 mil manifestantes presentes na Avenida Paulista. Ou seja, pouco mais de 6% da expectativa dos organizadores.

Muito embora os públicos em ambos os atos citados tenham aquém das expectativas dos organizadores, há que se considerar que uma presença tão massiva de pessoas neles é uma clara demonstração de que o presidente ainda é capaz de mobilizar seus aliados em torno dos seus objetivos, bem como de que esses mesmos fiéis escudeiros estão dispostos a fazer qualquer coisa para alcançá-los.

Trata-se daqueles aos quais muitos analistas políticos vêm denominando como o “núcleo duro” dos apoiadores bolsonaristas, correspondentes em termos percentuais a algo em torno de 25% dos eleitores brasileiros. Um percentual ainda bastante alto, a despeito da vertiginosa queda que o atual presidente vem sofrendo nas intenções de voto para o pleito de 2022, em relação ao ex-presidente Lula.

#BolsonaroArregou

Depois da hashtag #Flopou, em alusão ao fracasso dos atos pró-Bolsonaro, foi a vez da hashtag #BolsonaroArregou invadir as redes com uma enxurrada de memes zoando o pedido de desculpas velado do presidente, depois de um pronunciamento intitulado “Declaração à Nação”, nesta última quinta-feira, (9).

Não deu outra, os internautas não perdoaram. Importante lembrar que, em agosto, o presidente Bolsonaro protocolara no Senado um pedido de impeachment contra o ministro Alexandre Moraes defendendo a tese de que ele e o ministro Luis Roberto Barroso agem fora dos limites impostos pela nossa Constituição. O governo amargava mais uma derrota, uma vez que o pedido foi indeferido.

A tal “Declaração à Nação” (texto redigido com a ajuda do até então ausente dos holofotes do cenário político, o ex-presidente Michel Temer) emergiu como uma tentativa de apaziguar os ânimos nos Três Poderes, após o presidente do STF, o ministro Luiz Fux, afirmar em seu pronunciamento realizado no dia anterior, quarta- feira (8), que “o Supremo Tribunal Federal também não tolerará ameaças à autoridade de suas decisões. Se o desprezo às decisões judiciais ocorre por iniciativa do chefe de qualquer dos poderes, essa atitude, além de representar um atentado à democracia, configura crime de responsabilidade, a ser analisado pelo Congresso Nacional” – condição sine qua non para a abertura de um processo de impeachment.

Pela gravidade das declarações do presidente, no dia 7 de setembro, aos seus correligionários, podemos supor ainda existirem “muitos panos para as mangas” para muitos outros desdobramentos políticos.

Resta-nos a nós, pobres mortais, sobre quem a pesada mão do alto custo de vida repousa, aguardar se aquilo que resultará das bravatas bolsonaristas e das as gravatas daqueles que comandam os Três Poderes, serão seus enlaces em torno do objetivo de arrancar o país do fundo do poço em que se encontra; ou se juntas, formarão uma corda com a qual sufocarão, de uma vez por todas, o país nas profundezas de uma crise que não é somente sanitária, mas econômica, política, social e, sobretudo, ética.

Foto: Reprodução/Pedro Ladeira/Folhapress

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Rogério Melo, que escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN

Coluna de Rogério Melo para o Por Dentro do RN (In Vino Veritas)

Rogério Melo tem 51 anos, é comunicador social, cientista social e mercadólogo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Também é mestrando em Ciência da Informação pela mesma instituição. Além disso, Rogério Melo escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN, às sextas feiras; e comenta sobre os fatos políticos do RN e do Brasil. É proibida a reprodução total ou parcial deste texto sem autorização do autor e sem a inserção dos créditos, de acordo com a Lei nº 9610/98.

Clique aqui para mais textos de Rogério Melo no Por Dentro do RN.

Fundação Perseu Abramo (FPA) lança livro sobre o golpe de 2016, por Rogério Melo

Fundação Perseu Abramo (FPA) lança livro sobre o golpe de 2016, por Rogério Melo

Por Rogério Melo
Para o Por Dentro do RN

No último dia 31 de agosto, completaram-se cinco anos do processo ao qual os partidos de esquerda definem como “golpe institucional”, que depôs do Governo Federal a ex-presidenta, Dilma Rousseff.

Após pouco mais de três meses de um extenuante processo de impeachment, desde que fora afastada da presidência da República pelo Senado Federal, em 12 de maio de 2016, a primeira mulher a ocupar o cargo mais importante do país foi afastada definitivamente das suas funções sob acusação de liberar créditos suplementares sem o aval do Congresso, bem como de promover os atrasos nos repasses da União aos bancos públicos com a finalidade de cobrir gastos dessas instituições com programas do governo, popularmente conhecidos como “pedaladas fiscais”, cujo objetivo era melhorar artificialmente as contas do governo.

Embora os dois supostos crimes de responsabilidade tenham motivado a abertura do processo pelo Senado Federal, a sua gestão já apresentava importantes desgastes provocados pela intensa recessão econômica, momento em que chegou a encolher aproximadamente 8% em apenas dois anos, após sua reeleição.

Outro fator era a ausência de apoio político no Congresso Nacional, refletida na baixa governabilidade; e, finalmente, pelo escândalo do “Petrolão” – um bilionário esquema de corrupção caracterizado pela cobrança de propina das empreiteiras com as quais celebravam-se contratos para execução de obras superfaturadas, a fim de abastecer os cofres de partidos, funcionários da estatal e políticos.

Esse esquema foi alvo da investigação da Polícia Federal denominada de “Lava Jato”. A Operação Lava Jato, por sua vez, desencadeou uma onda de protestos que invadiram as ruas e as redes sociais digitais em todo o país

Na exata data do quinquênio de aniversário do golpe de 2016, a Fundação Perseu Abramo (FPA), instituição ligada ao PT, lançou o livro intitulado “Brasil: cinco anos de golpe e destruição”. A obra foi organizada pela ex-assessora e economista Sandra Brandão como contribuições dos Núcleos de Acompanhamento de Políticas Públicas (NAPPs) da Fundação Perseu Abramo e de centenas de colaboradores em todo o País, e a coordenação do Centro de Altos Estudos da FPA.

Prefaciado pelo ex-ministro da Casa Civil no governo de Dilma, Aloizio Mercadante, para quem “as falsas promessas neoliberais dos que apoiaram a farsa do impeachment não se cumpriram, e o país tem hoje um Estado mais autoritário, um país completamente isolado internacionalmente, uma economia em crise e uma sociedade dividida pelo negacionismo e pelo obscurantismo. O fracasso do governo golpista de Temer e o despreparo e a falta de coordenação do governo Bolsonaro têm levado a cabo o mais severo desmonte das políticas públicas brasileiras de nossa história Republicana”, escreveu em seu prefácio.

Quem apresenta a obra é a própria Dilma Rousseff, onde analisa o processo de corrosão da democracia sob o qual estamos atravessando em quatro atos: o primeiro ato, o próprio golpe de 2016, cujo corolário foi aprovar no Congresso o congelamento de todas as despesas por 20 anos com saúde, educação, saneamento, habitação, ciência e tecnologia, cultura, proteção e direitos das mulheres e dos negros, por exemplo, conhecida como “Emenda do Teto dos Gastos”.

O segundo ato, a interdição de Lula, que permitiu a ascensão de um governo radicalmente neoliberal na economia e neofascista na política; o terceiro ato, culminado pela eleição do atual presidente Jair Messias Bolsonaro, alavancada por setores neoliberais do centro e da centro-direita, dos militares, dos segmentos do mercado financeiro, de empresários e da mídia oligopolizada; e, finalmente, o quarto ato, caracterizado pela gestão desastrosa e genocida da pandemia da covid-19.

Em suas considerações finais, Dilma afirma que “Bolsonaro é o resultado do ovo da serpente chocado no Golpe de 2016, no discurso do ódio que o sustentou e na interdição do ex-presidente Lula. Temos muitos combates a travar para enfrentar o pior governo da história do país e restabelecer a vida e os direitos que vêm sendo roubados do povo brasileiro desde o impeachment fraudulento”, diz.

Para ela, “o reconhecimento da inocência de Lula é uma vitória da justiça e da democracia. E abre uma forte e promissora perspectiva para a luta e a organização do povo brasileiro. Está aberto um caminho para a reconstrução do Brasil. Temos uma alternativa de poder no campo popular. E, sem dúvida, mais uma vez vamos seguir em frente e continuar lutando pela democracia, pela soberania e pela vida”, conclui, esperançosa, a primeira mulher a governar o Brasil.

O livro está disponível para download gratuito no seguinte link: Brasil: Cinco anos de golpe e destruição.

Foto: Reprodução/Fundação Perseu Abramo

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Rogério Melo, que escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN

Coluna de Rogério Melo para o Por Dentro do RN (In Vino Veritas)

Rogério Melo tem 51 anos, é comunicador social, cientista social e mercadólogo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Também é mestrando em Ciência da Informação pela mesma instituição. Além disso, Rogério Melo escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN, às sextas feiras; e comenta sobre os fatos políticos do RN e do Brasil. É proibida a reprodução total ou parcial deste texto sem autorização do autor e sem a inserção dos créditos, de acordo com a Lei nº 9610/98.

Clique aqui para mais textos de Rogério Melo no Por Dentro do RN.

In vino veritas por Rogério Melo no Por Dentro do RN

Semana agitada no cenário político do Brasil, por Rogério Melo

Por Rogério Melo
Para o Por Dentro do RN

Esta foi uma semana bem agitada no cenário político brasileiro. Isso porque na última sexta-feira, 20, o presidente Jair Bolsonaro havia protocolado uma denúncia dirigida ao presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), contra o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

O presidente Bolsonaro já anunciara em suas redes sociais, desde o último dia 14 (sábado), a sua intenção em apresentar tal solicitação contra Alexandre de Moraes, bem como contra o Ministro Luís Roberto Barroso, igualmente integrante do STF, e atual Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Entretanto, no pedido formalizado constava somente a denúncia contra o ministro Alexandre de Moraes. A justificativa dada pelo presidente na sua conta do Twitter foi a de que ambos “extrapolam com atos os limites constitucionais”.

As declarações do presidente ocorreram no contexto da prisão preventiva decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, no dia 12 do mês corrente, contra o ex-deputado federal e presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, aliado do governo. Roberto Jefferson é um dos investigados no Inquérito 4.874, que investiga a existência de uma suposta organização criminosa, cuja finalidade seria atentar contra a Democracia e o Estado de Direito por meio da disseminação de fake news.

O pedido se fundamenta no Artigo 52 da Constituição Federal, que prevê como competência privativa do Senado Federal, inciso II, “processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade”.

A decisão do presidente se deu depois que teve seu nome citado num pedido de investigação feito no dia 09 de agosto pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), presidio por Barroso, a fim de apurar um suposto vazamento de informações reservadas nas redes sociais, no dia 04 de agosto. Neste mesmo inquérito, também são citados os nomes do deputado federal Felipe Barros (PSL-PR) e do delegado responsável pelo caso, Victor Neves Feitosa Campo.

O STF manifestou seu repúdio contra o pedido protocolado pelo presidente da República, emitindo a seguinte nota: “O Estado Democrático de Direito não tolera que um magistrado seja acusado por suas decisões, uma vez que devem ser questionadas nas vias recursais próprias, obedecido o devido processo legal. O STF, ao mesmo tempo em que manifesta total confiança na independência e imparcialidade do Ministro Alexandre de Moraes, aguardará de forma republicana a deliberação do Senado Federal”.

O Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) emitiu um parecer onde concluiu serem inexistentes os crimes de responsabilidade imputados ao ministro Alexandre de Moraes, uma vez que a denúncia apresentada pelo presidente da República Jairo Bolsonaro, “não possui fundamento jurídico para justificar a abertura de processo de impeachment contra o referido ministro injusta e abusivamente denunciado”, motivo pelo qual recomendou que tal pedido fosse liminarmente rejeitado pelo presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco.

Houve também a reação partidos de centro e esquerda, no total dez, que emitiram separadamente duas cartas abertas pedindo a rejeição do pedido de impeachment contra o ministro do STF. Os presidentes nacionais do DEM, MDB e PSDB, PT, PDT, PSB, PCdoB, Cidadania, PV e Rede Sustentabilidade, se posicionaram em defesa da democracia, das instituições, do Supremo e de Alexandre de Moraes. Juntas, essas bancadas reúnem 43 dos 81 senadores.


Nesta quarta-feira (25), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, fez o anúncio pela rejeição do pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido fora submetido à Advocacia do Senado, que emitiu um parecer técnico, no qual considerou a peça sem adequação legal. Para Pacheco, a preservação da independência entre os Poderes se constituiu numa possibilidade para que as crises institucionais sejam deixadas para trás.

“Há também o lado político de uma oportunidade dada para que possamos restabelecer as boas relações entre os Poderes. Quero crer que esta decisão possa constituir um marco de pacificação e união nacional, que tanto pedimos, e é fundamental para o bem-estar da população e para a possibilidade de progresso e ordem no nosso país”, declarou Pacheco. O comunicado acerca da rejeição do pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes foi feito num pronunciamento à imprensa, em que Pacheco estava acompanhado pelo vice-presidente do Senado, Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB).

A decisão pelo arquivamento frustrou as expectativas do presidente Jair Bolsonaro de que, uma vez acatado por Pacheco, do pedido de impeachment desencadearia uma onda de protestos favoráveis à sua gestão por todo o país, no próximo dia 07 de setembro, data em que se comemora a Independência do Brasil. Àqueles que defendem o livre exercício das instituições democráticas e a manutenção do Estado de Direito resta a esperança de que tal decisão assinale um fim na crise institucional entre os três poderes.

Uma esperança demasiado frágil, é verdade, quando levamos em conta a inaptidão, a imaturidade, a incompetência, a insensibilidade, a apatia, a insanidade mental e a incapacidade daquele que governa um país economicamente arrasado por uma pandemia que já vitimou mais de 600 mil pessoas, por uma inflação praticamente fora de controle e por um contingente de mais de 14 milhões de desempregados.

Foto: Reprodução/Rogério Melo

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Sobre Rogério Melo, que escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN

Coluna de Rogério Melo para o Por Dentro do RN (In Vino Veritas)

Rogério Melo tem 51 anos, é comunicador social, cientista social e mercadólogo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Também é mestrando em Ciência da Informação pela mesma instituição. Escreve na coluna In vino veritas, no Por Dentro do RN, às sextas feiras; e comenta sobre os fatos políticos do RN e do Brasil. É proibida a reprodução total ou parcial deste texto sem autorização do autor e sem a inserção dos créditos, de acordo com a Lei nº 9610/98.

Instagram: @diario_rogeriomelo