CoronaVac é segura

Entenda, de uma vez por todas, por que você não deve ter medo de tomar a CoronaVac

Vacina desenvolvida pelo Butantan em parceria com laboratório Chinês Sinovac, CoronaVac vem sendo rejeitada pelos brasileiros por questões que não se justificam

O fenômeno de escolha de vacinas está cada vez mais comum no Brasil; e isso tem feito os brasileiros rejeitarem a imunização com a CoronaVac, por acreditarem que ela “faz menos efeito”. A verdade, no entanto, não é essa. Assim como as outras vacinas, a CoronaVac passou por um rigoroso processo de análise antes de ser aprovada pela Anvisa, um dos órgãos regulamentadores mais exigentes do mundo.

Outro ponto importante que precisa ser esclarecido é que não é possível compará-la com os imunizantes desenvolvidos por outros laboratórios, uma vez que a fase de testes de cada vacina foi feita com um público diferente.

A CoronaVac foi uma das primeiras vacinas que começaram a ser desenvolvidas ainda no ano passado, quando pouco se sabia sobre o novo coronavírus. Sendo assim, no momento em que ela começou a ser testada, o público escolhido para o teste resumiu-se ao de pessoas que trabalhavam na linha de frente contra o vírus; e não no público geral que, naquele momento, ainda estava levando o isolamento social mais a sério.

Sobre a eficácia da CoronaVac

A CoronaVac foi anunciada com uma eficácia geral de pouco mais de 50%. Naquele momento, por não existir outra vacina disponível, muitas pessoas pareciam compreender que, embora a vacina possuísse 50% de eficácia geral, era 100% eficaz contra casos graves, evitando intubações e problemas maiores, como o falecimento do infectado após longos dias intubado numa UTI.

Com o surgimento de novos imunizantes, todavia, as pessoas passaram a “virar” a cara e até a irem embora dos postos de saúde quando recebiam a informação de que iriam ser imunizadas com a vacina desenvolvida do Butantan.

Nem o medo, nem a comparação com outros imunizantes fazem sentido

De acordo com o infectologista Eder Gatti, do Hospital Emílio Ribas, os estudos clínicos da CoronaVac foram diferentes. Como já foi falado acima, o público escolhido foi o de pessoas que estavam extremamente expostas ao vírus em ambientes hospitalares, combatendo a Covid-19 na linha de frente.

Uma pessoa comum e que segue minimamente os protocolos sanitários, dificilmente, estará igualmente exposta quanto quem trabalha diretamente com infectados. E esta é uma das razões pelas quais não podemos comparar a CoronaVac com a Janssen ou Pfizer: os estudos clínicos das duas últimas foram, diferentemente da vacina do Butantan, realizados em pessoas do público geral.

Outra questão importante que deve ser salientada é o tempo entre as duas doses; enquanto a Janssen é de dose única e a Oxford e Pfizer têm um intervalo de três meses entre as doses, a CoronaVac foi testada em um intervalo de apenas 15 dias.

Logo, de acordo com Gatti, “o estudo clínico aqui no Brasil usou o intervalo de duas semanas, foi um intervalo curto entre a primeira e segunda dose, porque, em vacinas, especialmente vacinas inativadas, a resposta pós-segunda dose tende a ser melhor quando o intervalo entre a primeira e a segunda dose é maior”, explica. “Então, por exemplo, se der um intervalo de quatro semanas, é de se esperar que a vacina responda melhor, que a imunogenicidade seja melhor e a imunidade gerada seja mais protetora e até mais duradoura. Essa é uma característica do estudo clínico que pode ser contribuído para essa eficácia geral menor”, conclui.

Foto: Arthur Stabile/UOL

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

É #FAKE que o Midway Mall vai cobrar pelo estacionamento Como consultar valores a receber com o Banco Central Morre Marília Mendonça após acidente aéreo; veja fotos CINCO deputados do RN votam pelo furo do teto de gastos Após rompimento de parceria com o Flow Podcast, hackers invadem iFood, trocam nome de restaurantes e dão apoio a Bolsonaro Azul mira compra da Latam Airlines e visa à criação de gigante sul-americana Homem se dá mal após tentar jogar drogas pela janela em Mossoró Adolescente de 16 anos é suspeito de matar os próprios irmãos, de 2 e 4 anos, no Rio de Janeiro Preço da gasolina sobe 47% em 2021 e já custa R$ 7,29 em Natal após novo reajuste Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado