Bolsonaro veta nome de Nise da Silveira em livro de Heroínas da Pátria; psiquiatra revolucionou o modo de se tratar doenças mentais no Brasil - Por dentro do RN
Bolsonaro veta nome de Nise da Silveira em livro de Heroínas da Pátria; psiquiatra revolucionou o modo de se tratar doenças mentais no Brasil

Bolsonaro veta nome de Nise da Silveira em livro de Heroínas da Pátria; psiquiatra revolucionou o modo de se tratar doenças mentais no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PL) vetou a inscrição do nome da psiquiatra Nise da Silveira no livro de Heróis e Heroínas da Pátria. O veto foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (25.mai.2022). A decisão ocorre uma semana depois que é lembrado o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, em 18 de maio.

Nise da Silveira é conhecida por ter revolucionado a forma como é feita o tratamento de transtornos mentais no Brasil. O Senado tinha aprovado a inscrição dela no livro em 27 de abril. O PL 6.566/2019 foi proposto pela deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

De acordo com o Bolsonaro, “não é possível avaliar a envergadura dos feitos da médica Nise Magalhães da Silveira e o impacto destes no desenvolvimento da Nação, a despeito de sua contribuição para a área da terapia ocupacional”. O Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria fica exposto no Panteão da Pátria, na Praça dos Três Poderes em Brasília. O livro reúne nomes importantes para a história nacional, como Tiradentes, Zumbi dos Palmares, Dom Pedro 1° e Anna Nery.

A psiquiatra alagoana nasceu em Maceió em 1905 e se formou na Faculdade de Medicina da Bahia. Nise era contrária aos tratamentos com eletrochoque e outras terapias agressivas que eram usadas na época.

Os projetos defendidos pela psiquiatra foram aos poucos sendo aceitos dentro dos hospitais psiquiátricos. Ela passou a usar a arte como forma de tratamento. Como coordenadoria do setor terapêutico do Centro Psiquiátrico Pedro II, Nise conseguiu bons resultados com seus métodos. No Brasil, ela é considerada pioneira da terapia ocupacional.

Nise morreu no Rio de Janeiro, em 30 de outubro de 1999, aos 94 anos de idade. Em 2015, a história dela virou filme. Em Nise – O Coração da Loucura, de Roberto Berliner, é contado como a médica enfrentou todo um sistema ao se recusar a usar os tratamentos da época em seus pacientes.

A reforma psiquiátrica no Brasil só iria ocorrer em 2001. Foi quando começaram a ser fechados gradualmente os manicômios do país.

Com informações do Correio Braziliense
Foto: Reprodução

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

É #FAKE que o Midway Mall vai cobrar pelo estacionamento Como consultar valores a receber com o Banco Central Morre Marília Mendonça após acidente aéreo; veja fotos CINCO deputados do RN votam pelo furo do teto de gastos Após rompimento de parceria com o Flow Podcast, hackers invadem iFood, trocam nome de restaurantes e dão apoio a Bolsonaro Azul mira compra da Latam Airlines e visa à criação de gigante sul-americana Homem se dá mal após tentar jogar drogas pela janela em Mossoró Adolescente de 16 anos é suspeito de matar os próprios irmãos, de 2 e 4 anos, no Rio de Janeiro Preço da gasolina sobe 47% em 2021 e já custa R$ 7,29 em Natal após novo reajuste Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado