Correios reajustam o preço para envios de cartas

Correios reajustam o preço para envios de cartas

Novo valor entrou em vigor nesta segunda-feira (3)

Os Correios anunciaram um aumento de 5,49% no preço para o envio de cartas e telegramas, nacionais e internacionais, e outros serviços postais. A medida foi autorizada por uma portaria do Ministério das Comunicações e entra em vigor nesta segunda-feira (3.abr.2023), com a publicação no Diário Oficial da União.

O reajuste foi determinado com base na variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) entre janeiro e dezembro de 2022, medida pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), descontando o Fator de Produtividade.

Com o novo aumento, o envio de cartas e aerogramas nacionais passa a custar de R$ 2,45 a R$ 13,45, dependendo do peso, que pode ir até 500 gramas. Já o envio de telegramas nacionais terá preços que variam de R$ 10,29 a R$ 14,90, dependendo do meio utilizado – internet, telefone ou agência.

A portaria também incluiu um novo agrupamento de países para a precificação do envio de correspondências internacionais. O último reajuste nos preços dos Correios havia acontecido em maio de 2022.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês