“Estudo da CNI aponta a importância do investimento para a melhoria do transporte”, afirma presidente da FETRONOR

Estruturação do serviço com mais qualidade aponta para a necessidade dos investimentos que devem ser feitos

Através de um estudo conduzido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) sobre mobilidade urbana, foi constatado que a redução de preço da tarifa em 25%, a diminuição do tempo de espera em 24% e o aumento da segurança em 20% são os fatores determinantes que poderiam incentivar os não utilizadores de transporte público a adotar essa modalidade nas grandes cidades.

A pesquisa abrangeu 2.019 entrevistados residentes em cidades com mais de 250 mil habitantes nas 27 unidades da Federação, e revelou também que outros elementos cruciais para motivar o uso do transporte público incluem maior disponibilidade de linhas e rotas, maior conforto interno, aprimoramento da qualidade dos veículos e maior eficiência no deslocamento dentro do sistema.

“O estudo da CNI aponta a importância do investimento para a melhoria do transporte, que é algo necessário, e um clamor da população há muito tempo. Porém, isso passa pela necessidade do aporte do poder público, visto que o transporte, como o nome diz, é público”, considera Eudo Laranjeiras, presidente da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Nordeste – FETRONOR.

Eudo lembra o exemplo do trem metropolitano da Grande Natal. “Veja o exemplo do trem, que inclusive está sendo expandido.
Geralmente passa nos horários, tem ar-condicionado, etc… A tarifa verdadeira dele é de mais de R$ 10. Mas quem utiliza, paga apenas R$ 2,50, graças ao subsídio que o Governo Federal oferta. Essa é uma das possibilidades e que vários sistemas vêm utilizando como forma de melhoria, de buscar mais clientes”, relata Eudo.

Segundo o presidente, a estruturação do serviço com mais qualidade aponta para a necessidade dos investimentos que devem ser feitos. “As empresas são operadoras. Quem cuida do serviço é o governo – seja federal, estadual ou municipal. É preciso que os gestores definam e façam por onde o transporte possa ter qualidade. Após serem dadas as condições, devem inclusive cobrar das empresas essa prestação do serviço”, afirma.

Além do estudo da CNI, a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) produziu um documento intitulado ‘Propostas para um Programa Nacional de Mobilidade Urbana’, visando fornecer ao Governo Federal sugestões concretas para promover a inclusão social das comunidades de baixa renda no contexto dos transportes urbanos, reduzir a idade média da frota nacional, estabelecer e executar um programa de aprimoramento das infraestruturas voltadas ao transporte de passageiros, e aperfeiçoar a gestão dos órgãos ligados ao poder público, bem como das empresas privadas que atuam no setor.

“Esses documentos são muito importantes, pois podem servir de norte aos gestores. E da parte do Setor de Transporte, há uma total disponibilidade na contribuição dessa melhoria. Estaremos fazendo nossa parte, contribuindo com o planeta, reduzindo a dependência excessiva do carro, aliviando o tráfego e reduzindo a poluição nas áreas urbanas”, afirma Eudo.

Dados da pesquisa

Os dados levantados evidenciam que, entre os participantes, o carro se mantém como o meio de transporte mais utilizado diariamente, com um índice de 75%. Em seguida, a moto (60%) e a bicicleta (54%) despontam nas preferências. Quanto ao transporte público, o ônibus é a modalidade mais frequentemente adotada, com 50% das pessoas optando por esse meio diariamente ou em quase todos os dias. Caronas e trens seguem com 37%, seguidos por fretados (30%), vans (29%), carros por aplicativos e metrô (28%), táxis (25%) e barcos (3%).

A pesquisa, realizada pelo Instituto Pesquisa de Reputação e Imagem (IPRI), foi encomendada pela CNI e conduzida entre os dias 1º e 5 de abril. Sua margem de erro é de 2 pontos percentuais, com intervalo de confiança de 95%.

Demanda por ônibus urbanos sofre queda de 24,4% entre 2019 e 2022, revela Anuário da NTU

O sistema de transporte público brasileiro por meio de ônibus urbanos enfrentou uma redução significativa na demanda, registrando uma queda de 24,4% entre os anos de 2019 e 2022, com a principal causa atribuída à pandemia. Isso implica em uma diminuição de quase 8 milhões de deslocamentos diários de passageiros, em média, durante esse período.

Essa informação foi revelada recentemente durante o lançamento do Anuário 2022-2023 pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU).

O relatório inédito demonstra que, apesar do aumento de 12,1% na demanda (número de passageiros transportados) e de 10,3% na produtividade (número de passageiros transportados por quilômetro rodado) em 2022, em comparação com o ano anterior, o setor ainda não conseguiu se recuperar aos níveis pré-pandemia.

Foto: Matheus Felipe/Ilustração

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês