Prefeita de Pedro Velho é cassada por abuso de poder

Prefeita de Pedro Velho é cassada por abuso de poder

Decisão da Justiça Eleitoral do Rio Grande do Norte determina inelegibilidade e multa para a prefeita e sua vice

A juíza Daniela do Nascimento Cosmo, da Justiça Eleitoral, cassou, na segunda-feira (11.set.2023), o mandato da prefeita de Pedro Velho, Edna Lemos (PSB), devido a alegações de abuso de poder durante as eleições suplementares realizadas em novembro do ano passado. A vice-prefeita, Rejane Costa (PL), também foi destituída de suas funções.

A decisão da Justiça resulta em inelegibilidade de ambos por oito anos, além da aplicação de uma multa no valor de R$ 50 mil Unidade Fiscal de Referência (UFIR). Até o momento, nem a prefeita Edna Lemos nem o assessor de comunicação do município se pronunciaram sobre a decisão.

Edna Lemos assumiu interinamente a prefeitura de Pedro Velho em março do ano passado, após a cassação da então prefeita, Dejerlane Macedo, e de seu vice, Inácio Rafael da Costa, também por acusações de abuso de poder político. No entanto, a gestão de Edna Lemos foi alvo de uma investigação do Ministério Público, após denúncias de outros partidos políticos, que apontaram a realização de “mais de 300 contratações sem observar os preceitos legais”.

A cassação foi fundamentada no 5º parágrafo do artigo 73 da lei 9504, que proíbe condutas por agentes públicos que possam afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos em pleitos eleitorais.

A juíza Daniela do Nascimento Cosmo afirmou em sua decisão que “a potencialidade lesiva dessa conduta para o pleito é inconteste” e ressaltou que não é necessário provar cabalmente que as investigadas foram eleitas devido ao ilícito, bastando demonstrar que a prática irregular tinha o potencial de influenciar nas eleições. Ela observou ainda que a diferença de votos no pleito de novembro de 2022 foi muito próxima da quantidade de contratações realizadas no período anterior à eleição pela prefeita Edna Lemos.

A sentença também destacou que as contratações temporárias realizadas não estavam em conformidade com o artigo 37, IX, da Constituição Federal, pois não obedeceram aos critérios de excepcionalidade e não passaram por concurso público, violando o princípio da impessoalidade. A juíza enfatizou que Edna Lemos, como prefeita interina, tinha plena consciência de que a ex-prefeita poderia ser afastada a qualquer momento, indicando a existência de um projeto político em curso desde o início de sua gestão interina.

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês Rita de Cássia conseguiu doador de pulmão, mas pandemia impediu transplante