Telas na infância: como o psicólogo pode ajudar a família?

Telas na infância: como o psicólogo pode ajudar a família?

Para Filipe Colombini, psicólogo parental e CEO da Equipe AT, este é um assunto de extrema importância

Você já reparou quanto tempo seu filho passa no celular, nos tablets ou assistindo televisão? No último domingo, o programa Fantástico, da TV Globo, veiculou reportagem sobre os impactos do uso prolongado de telas durante a infância.

Para Filipe Colombini, psicólogo parental e CEO da Equipe AT, este é um assunto de extrema importância.

“Uma série de pesquisas revelam que crianças que usam telas de forma prolongada apresentam déficits no desenvolvimento cognitivo e mental”, diz o especialista.

“Além de complicações na visão e uma capacidade reduzida de atenção, os pequenos também podem acabar não desenvolvendo de forma efetiva suas habilidades sociais e apresentar distúrbios do sono e até mesmo depressão”, conclui.

Isso acontece porque, ao ficar diante das telas, a criança está consumindo conteúdos passivamente, abrindo mão de oportunidades valiosas e de praticar outras atividades importantes, como manter contato com a natureza, exercer o hábito da leitura e praticar exercícios físicos.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que, até os dois anos de idade, as crianças não devem ter acesso algum ao uso de telas a fim de evitar prejuízos para o desenvolvimento de habilidades sociais e de linguagem. Já entre dois e cinco, a recomendação é de no máximo uma hora de uso por dia com a supervisão de um adulto.

“É claro que, em um mundo cercado pela tecnologia, é difícil para os pais estabelecerem limites para o uso de telas”, afirma Colombini. “Por isso, a família não pode simplesmente proibir o uso de celulares, mas deve oferecer aos filhos outras opções de brincadeiras, lazer e interação, diversificando os estímulos com os quais a criança tem contato”, conclui.

O ideal é que tudo seja feito seguindo combinados e que os pais desenvolvam uma monitoria positiva, ou seja, supervisionem o uso de telas dessas crianças sempre de uma forma não-punitiva e com muito afeto e acolhimento. “Esse é um processo que pode ser complexo e, por isso, o apoio profissional pode ser importante”, diz o especialista. “Para isso, as famílias podem procurar psicólogos e orientadores parentais que vão oferecer estratégias de intervenção para ajudá-las a colocar em prática uma gestão positiva do uso de telas”, conclui.

A modalidade de terapia conhecida como AT (Acompanhamento Terapêutico) é uma ótima aposta para estes casos. Isso porque os psicólogos conhecidos como Acompanhantes Terapêuticos (ATs), por atenderem o paciente fora do consultório, em seu ambiente natural, conseguem ter um contato estreito e direto com a realidade de cada família, propondo ações altamente eficazes.

Mais sobre Filipe Colombini

Psicólogo, fundador e CEO da Equipe AT, empresa com foco em Acompanhamento Terapêutico (AT) e atendimento fora do consultório, que atua em São Paulo (SP) desde 2012. Especialista em orientação parental e atendimento de crianças, jovens e adultos. Especialista em Clínica Analítico-Comportamental. Mestre em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Professor do Curso de Acompanhamento Terapêutico do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas – Instituto de Psiquiatria Hospital das Clínicas (GREA-IPq-HCFMUSP). Professor e Coordenador acadêmico do Aprimoramento em AT da Equipe AT. Formação em Psicoterapia Baseada em Evidências, Acompanhamento Terapêutico, Terapia Infantil, Desenvolvimento Atípico e Abuso de Substâncias.

Foto: Divulgação

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Midway Mall comemora 19 anos com sorteio de três BYD zero quilômetro e desfile de moda Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar