Mais de 7 mil empresas potiguares já solicitaram ingresso no Simples Nacional

Mais de 7 mil empresas potiguares já solicitaram ingresso no Simples Nacional

31 de janeiro é o prazo final para realizar a opção pelo regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido.

Está aberto, até o dia 31 de janeiro, o prazo para empresas e microempreendedores definirem o regime de tributação para 2024. Entre as opções disponíveis, está o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, mais conhecido como Simples Nacional, destinado a empresas com faturamento até R$ 4,8 milhões – incluindo os microempreendedores individuais (MEIs).

Segundo dados da Receita Federal, até o meio-dia da sexta-feira (19), foram realizadas 7.113 solicitações pelo regime Simples Nacional no Rio Grande do Norte. Desse total, 5.316 ainda estão pendentes de regularização e 1.797 já foram deferidas. Para o contador Gustavo Vieira, da Rui Cadete, a decisão de aderir ao regime tributário simplificado pode ser estratégica e deve levar em conta critérios que vão além do faturamento.

“O Simples Nacional é mais indicado para negócios de pequeno e médio portes, enquanto o Lucro Presumido e o Lucro Real são mais vantajosos para empresas maiores. Contudo, outros fatores devem ser levados em consideração, como a atividade da empresa, sua complexidade e a possibilidade de aproveitamento de créditos e deduções, por exemplo”, explica o diretor da Rui Cadete.

Empresas que já estão em atividade devem fazer a definição do regime tributário mais adequado à sua realidade até o dia 31 de janeiro. Se aceita, terá validade retroativa a partir de 1° de janeiro. Já para as empresas em início de atividade, o prazo para a solicitação é de 30 dias do último deferimento de inscrição (municipal ou estadual), desde que não tenham decorridos 60 dias da data de abertura do CNPJ.

Quando aprovada, a opção produz efeitos a partir da data da abertura do CNPJ. Após esse prazo, a opção somente será possível no mês de janeiro do ano-calendário seguinte, produzindo efeitos a partir de então. “Mas é importante destacar que essa escolha não é fixa e pode ser alterada no decorrer do tempo. Por isso, é fundamental revisá-la periodicamente, considerando as mudanças na legislação, no contexto empresarial e nas projeções financeiras da empresa”, completa Gustavo.

Foto: Divulgação

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês