BNDES aprova financiamento de R$ 907 milhões implantação de quatro parques eólicos no RN

BNDES aprova financiamento de R$ 907 milhões implantação de quatro parques eólicos no RN

Empreendimentos ficarão localizados nos municípios de Monte das Gameleiras, São José do Campestre e Serra de São Bento

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou um financiamento de R$ 907 milhões para a implantação de quatro parques eólicos no Rio Grande do Norte pela Casa dos Ventos. Os empreendimentos, denominados Ventos de Santa Luzia 11, 12 e 13 e Ventos de Santo Antônio 1, formarão o Complexo Eólico Umari, com capacidade instalada total de 202,5 MW, localizado nos municípios de Monte das Gameleiras, São José do Campestre e Serra de São Bento.

A geração de energia do projeto será suficiente para atender cerca de 500 mil domicílios e evitará a emissão de cerca de 522 mil toneladas de CO2 por ano, o equivalente a aproximadamente 2,4 milhões de árvores plantadas. Os financiamentos correspondem a 69% dos investimentos totais previstos, que são de R$ 1,315 bilhão. Durante o período de construção dos parques, estima-se que sejam gerados cerca de mil empregos. As obras começaram em setembro de 2022 e a previsão é que todo o complexo entre em operação comercial plena em agosto de 2024.

A Casa dos Ventos é uma empresa brasileira de energia que desenvolve, constrói e opera projetos de geração de energia a partir de fontes renováveis. A companhia conta com o maior portfólio de projetos eólicos e solares do país, com aproximadamente 20 GW de capacidade, e é líder em oferecer soluções customizadas para apoiar a transição energética de grandes consumidores. A CDV Holding S.A., controladora das quatro Sociedades de Propósito Específico (SPE) dos parques eólicos, é uma joint venture entre a Casa dos Ventos e o grupo francês TotalEnergies.

O presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, destacou que as aprovações de financiamento do BNDES a usinas eólicas correspondem a 75% da capacidade instalada da fonte no país e que os setores eólico e solar ajudam a ampliar a matriz energética limpa, que hoje é da ordem de 84% no Brasil. Para Mercadante, energia limpa é uma prioridade do BNDES do futuro. “O apoio aos setores eólico e solar ajuda a ampliar a matriz energética limpa, que hoje é da ordem de 84% no Brasil, e contribui para o desenvolvimento de uma indústria nacional de alta tecnologia e a geração de empregos no país. Energia limpa é uma prioridade do BNDES do futuro, um banco que quer ser cada vez mais verde e inclusivo”, avaliou.

A Casa dos Ventos é signatária do Pacto Global da ONU e trabalha de forma alinhada com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e as melhores práticas de ESG, preservando os biomas locais, desenvolvendo projetos sociais nas comunidades em que está presente e contribuindo para uma economia de baixo carbono.

Foto: Fabíola Sinimbu/Agência Brasil

Com informações do BNDES

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês