Gestão dos medicamentos em casa é necessária para evitar riscos à saúde dos idosos

Gestão dos medicamentos em casa é necessária para evitar riscos à saúde dos idosos

Farmacêutica explica cuidados necessários com a automedicação na terceira idade e orienta sobre organização dos remédios

A partir dos 60 anos, com a chegada da melhor idade, é bastante comum o diagnóstico de doenças crônicas e a perda cognitiva progressiva, trazendo o declínio da memória e da capacidade intelectual de realizar algumas atividades do dia a dia. Diante deste cenário, a prática da automedicação exige atenção e cuidados redobrados para os idosos, porque nem sempre o paciente possui habilidade para gerenciar a farmacoterapia prescrita sozinho.

Esquecer, tomar a dose mais de uma vez ou até trocar os medicamentos são erros comuns que podem gerar riscos à saúde, atrapalhar o tratamento e dificultar o controle de doenças crônicas. Juliana Veríssimo, farmacêutica e docente da Estácio, explica que existem algumas ferramentas digitais e analógicas que podem ajudar no gerenciamento e organização da ingestão de remédios.

“Hoje temos várias ferramentas: aplicativos de celular, alarmes, tabelas coladas em local visível, etiquetas nas embalagens e caixas organizadoras, que podem ser utilizadas até que o paciente encontre a alternativa que melhor atende a rotina diária. No entanto, não recomendamos retirar os medicamentos da embalagem original e da cartela, para não o confundir ou, expor o medicamento a condições que possam comprometer a qualidade”, adverte a especialista.

Intoxicação por medicamentos

Além da automedicação para uso de doses receitadas por indicações médicas, a farmacêutica Juliana Veríssimo explica que existe também a prática sem prescrição: quando a pessoa compra e faz ingestão dos remédios a sua própria escolha – o que pode ser ainda mais perigoso.

De acordo com levantamento da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), através das estatísticas do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), 27% das intoxicações no Brasil e 16% dos casos de morte por intoxicações são causados por medicamentos.

Essas situações acontecem pois o uso de medicamentos sem orientação profissional pode gerar alterações indesejadas e efeitos colaterais perigosos. Por isso, o orientado pela especialista é buscar um profissional da área de saúde com conhecimento técnico para auxiliar o paciente em uma escolha segura, considerando seu quadro clínico.

“O farmacêutico é um profissional de saúde que está inserido na comunidade, nas farmácias comerciais e públicas, e que pode ser consultado com facilidade. Eles oferecem serviços de acompanhamento dos pacientes e podem ajudar no processo de cuidado da pessoa idosa, assim, diminuindo internações, agravos e óbitos”, completa Juliana.

Foto: Pexels

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

MAIS LIDAS DO DIA

Assine nossa Newsletter

Casas Bahia abre vagas para PCD no Nordeste São João em Natal: Edição 2024 será mais modesta, diz prefeito Pesquisa Prefeitura de Natal 2024: Carlos Eduardo lidera levantamento do Instituto Seta MPRN recomenda que governo do RN não aumente salários nem faça concursos para evitar colapso fiscal Midway Mall comemora 19 anos com sorteio de três BYD zero quilômetro e desfile de moda Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal