Psicóloga compartilha estratégias para a adaptação escolar na Educação Infantil

Psicóloga compartilha estratégias para a adaptação escolar na Educação Infantil

Segundo especialista, a iniciação escolar representa o ingresso da criança no mundo social e deve ser cercada de cuidado e acolhimento

Escolas e famílias já vivem a expectativa do início do ano letivo e, para os alunos da Educação Infantil, este é não apenas o início da jornada educacional, mas também um passo decisivo na socialização e desenvolvimento das crianças. Um processo que envolve toda a família e que, segundo a psicóloga da Casa Escola, Juliana Guedes, não possui uma fórmula exata.

De acordo com ela, é importante compreender, dentro da realidade da família e das necessidades individuais de cada criança, qual é o momento certo para a sua inserção na Educação Infantil. Neste sentido, os pais ou responsáveis devem considerar aspectos como a sua rotina de trabalho, a rede de apoio e o tipo de cuidado que a criança estará recebendo.

“A iniciação escolar representa, também, o ingresso da criança no mundo social. Muitas vezes a busca pela escola ocorre quando a família percebe sinais significativos de interesse da criança em explorar o ambiente e se comunicar. Esses sinais podem não estar evidentes desde o início, mas a vivência escolar, após uma adaptação cuidadosa, proporciona oportunidades para que eles se manifestem”, explica a psicóloga da Casa Escola.

Juliana ressalta, ainda, que esse é um processo que deve acontecer de maneira gradual, respeitando o ritmo e o tempo de cada criança. Geralmente, segundo a especialista, a adaptação pode acontecer entre 1 ano e seis meses, quando a criança é inserida no meio escolar, até os 2 anos e meio, aproximadamente. A escolha da instituição deve, portanto, levar em consideração a proposta pedagógica, metodologia e filosofia.

“Entre os principais fatores que interferem na adaptação, podemos destacar a família e a qualidade do cuidado dispensado pela escola, ou seja, a forma como a criança é acolhida, na figura dos educadores e da turma. A instituição precisa estar aberta para acolher as angústias e as dúvidas da família, buscando tranquilizá-la na medida do possível”, destaca Juliana.

Para Daniella Cruz, mãe de Anna Candice, hoje com 3 anos, o início foi mais desafiador. “Foi muito choro ao deixá-la pela manhã. Mas entendemos que logo ela ficaria bem e se adaptaria ao ambiente escolar. E assim aconteceu. Com o passar do tempo, ela foi ficando mais tranquila”, disse, destacando os benefícios da vivência na escola para o crescimento de sua filha.

“Percebemos muitos ganhos nos aspectos cognitivo e social. Fala, interação, reconhecimento do espaço dela e dos outros. Ao interagir com crianças mais velhas, principalmente, é notório como a articulação das palavras e desenvolvimento de raciocínio e argumentos evoluiu em pouco tempo”, compartilhou Daniella, que matriculou Anna Candice na Casa Escola aos 2 anos de idade.

Foto: Divulgação

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

MAIS LIDAS DO DIA

Casas Bahia abre vagas para PCD no Nordeste São João em Natal: Edição 2024 será mais modesta, diz prefeito Pesquisa Prefeitura de Natal 2024: Carlos Eduardo lidera levantamento do Instituto Seta MPRN recomenda que governo do RN não aumente salários nem faça concursos para evitar colapso fiscal Midway Mall comemora 19 anos com sorteio de três BYD zero quilômetro e desfile de moda Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal