Saiba como se proteger de golpes e crimes virtuais neste Carnaval

Saiba como se proteger de golpes e crimes virtuais neste Carnaval

Professor dos cursos de Tecnologia da Estácio alerta para cuidados que devem ser tomados pelos foliões para dificultar ataques criminosos durante a festa

Com a chegada do Carnaval, uma das festas mais celebradas no Brasil, é importante destacar a importância dos cuidados em relação à segurança dos foliões. Além da atenção com os chamados “crimes comuns” – como furtos, roubos e agressões físicas durante o evento, é preciso também se prevenir contra os crimes virtuais que podem acontecer em consequência, como invasão de contas bancárias, redes sociais e aplicativos de mensagens para práticas de estelionato.

Para reforçar a segurança, o especialista em Computação Forense e professor dos cursos de Tecnologia e Engenharia da Estácio, Erivelton Lima, oferece algumas dicas para que os foliões não sejam vítimas em dobro: uma vez por furto e outra por fraudes virtuais.

“Hoje em dia, o ideal seria não levar um celular para as grandes multidões do Carnaval, mas carregar o dispositivo acaba se tornando necessário, então é importante que o bloqueio de tela esteja configurado com senha, assim como o acesso a determinados aplicativos como os bancários, Whatsapp e Telegram, apenas para começar”, diz o docente.

Isso pode ser feito por PIN, padrão ou biometria. Caso o smartphone permita senha, escolher uma palavra-chave forte e única, que você não tenha usado para outras contas, é o caminho a ser seguido. Uma combinação de pelo menos seis números, letras e caracteres especiais (como !$@%), que não forme uma palavra legível, é uma forma de reprimir a ação dos robôs utilizados pelos criminosos na hora de invadir perfis.

Outros cuidados que valem à pena pôr em prática são instalar aplicativos para rastreamento de dispositivos, ativar a autenticação em dois fatores para logar em redes sociais e configurar limites para transações financeiras no Internet Banking, assim como dar preferência ao uso de dinheiro físico ao invés de cartão de débito por aproximação durante a festas.

“Adicionar um adesivo ou marquinha pessoal em seus cartões pode ajudar a evitar golpes, ou ter seu cartão trocado no meio da multidão, ao comprar uma água ou bebida. Mas ainda mais seguro é preferir usar dinheiro físico e ativar a confirmação de compra com senha para dispositivos que funcionam por aproximação”, orienta o docente, reforçando a importância de monitorar regularmente as transações financeiras para detectar atividades suspeitas. Se notar algo incomum, a orientação é entrar em contato com sua instituição financeira imediatamente.

O docente ainda destaca como boa prática evitar fazer transações financeiras ou acessar informações sensíveis enquanto estiver conectado a redes Wi-Fi públicas e não seguras, pois estas podem ser alvos fáceis para hackers.

“Por fim, o folião e o cidadão em geral devem buscar a consciência digital e se manterem informados sobre as últimas ameaças digitais. Isso inclui reconhecer e evitar phishing, instalar software apenas de fontes confiáveis e proteger suas informações pessoais online”, declara.

Foto: Freepik

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Assine nossa Newsletter

Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal PRF realizará leilão de veículos retidos no RN Concurso do TJRN tem mais de 54 mil inscrições Prefeito de São José do Campestre é morto a tiros em casa Governo do RN abre concurso para a Polícia Militar Bolsas da Capes e do CNPq: ministro afirma que reajustes devem ocorrer ainda este mês