Meu sonho é ser gente, diz Rosângela Sibele, mulher que ficou presa por 18 dias após furtar comida em São Paulo

“Meu sonho é ser gente, eu estava com muita fome”, diz Rosângela Sibele, mulher que ficou presa por 18 dias após furtar comida em São Paulo

Após passar 18 dias presa, Rosângela Sibele, mãe de cinco filhos que furtou alimentos em um supermercado da capital paulista, está em liberdade. Nesta quarta-feira (13) após decisão do STJ, Rosângela contou em entrevista ao Brasil Urgente que é dependente química e que, a partir de agora, pretende focar no tratamento do vício em crack.

“Estou com acompanhamento no CAPS (Centros de Atenção Psicossocial), tomando medicação, indo no NA (Narcóticos Anônimos). Quero conversar com minha mãe, abraçar meus filhos, explicar isso. Quero pedir perdão à minha família. Entendi o que eu estava fazendo com minha família. Ninguém tem a obrigação de cuidar dos meus filhos, eu tenho. Por que fiz isso com elas? Quero pedir perdão e ir para uma clínica”, disse Rosângela.

Relator do habeas corpus impetrado pela Defensoria Pública de São Paulo, o ministro Joel Paciornik acolheu os argumentos da Defensoria, que afirmava que a mulher tinha cometido um “furto famélico” e, portanto, mesmo reincidente no crime, tinha respaldo na lei para não ser mantida presa. Para o relator, a lesão ínfima ao bem jurídico e o estado de necessidade da mulher não justificam o prosseguimento do inquérito policial.

Rosangela explicou que colocou dois itens na sacola: “Eu cheguei a mexer no miojo e no suco. Mas na verdade, o que eu coloquei na sacola foi uma lata de leite condensado e uma Coca-Cola de 600ml bem gelada. Na hora que eu estava saindo a menina perguntou se eu não estava esquecendo nada. Eu estava entregando na mão dela, mas a viatura viu. Ela também chamou a viatura“, explica Rosângela que tem 41 anos, está desempregada e mora há mais de 10 anos, entre idas e vindas, nas ruas da capital.

“Quando a viatura chegou, joguei as coisas e saí correndo, assustada. Fiquei com medo de ser presa. Eu estava com fome, enfatizei que estava com fome (…). Nos últimos dias eu estava fazendo reciclagem, não estava roubando ninguém. Eu não queria, não estou acostumada, não queria fazer. Só estava com muita fome, queria muito comer um miojo, estava doida para tomar um leite condensado e um refrigerante gelado. Não tenho dinheiro para isso”, explicou Rosângela Sibele.

Com informações do site Notícia Preta

Foto: Reprodução

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.