Bebês são internados após receberem vacina contra covid-19 no lugar da pentavalente

Bebês são internados após receberem vacina contra covid-19 no lugar da pentavalente

Dois bebês de dois e quatro meses de idade foram internados após receberem, por engano, doses da vacina da Pfizer contra a covid-19 no lugar da vacina pentavalente. O caso aconteceu no município de Sorocaba, em São Paulo. A vacina pentavalente protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra uma bactéria responsável por infecções no nariz, meninge e garganta.

O caso aconteceu na última quarta-feira (1º.dez.2021), quando três crianças foram levadas pelos pais a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para receberem a vacina. Duas delas receberam o imunizante contra o novo coronavírus por engano, e acabaram tendo forte reação. Elas foram levadas ao Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (Gpaci), onde estão internadas desde a noite de quinta-feira (2.dez.2021).

Entre os sintomas, os bebês apresentaram febre alta, vomito e não conseguiam tomar leite. Após a internação, as crianças não tiveram mais os sintomas. Elas não precisaram tomar remédio, mas receberam soro e na manhã da sexta-feira (3.dez.2021) já conseguiram tomar leite normalmente. Segundo a secretaria de Saúde, os bebês passarão por um teste de sorologia e, em seguida, vão receber a dose correta da vacina.

O secretário de Saúde do município, Vinicius Rodrigues, conversou com as mães das duas crianças, informando do erro ocorrido. Ele afirmou que o erro foi descoberto pela equipe da UBS no dia seguinte à aplicação, durante a checagem do estoque de vacinas. A técnica de enfermagem responsável pelo ocorrido alegou que confundiu os frascos, pois ambos são parecidos. Ela foi afastada da atuação e deslocada para um serviço interno na unidade. Um procedimento administrativo foi instaurado para definir quais medidas serão tomadas.

Ainda de acordo com o secretário, a pasta entrou em contato com o Ministério da Saúde e com a Pfizer, farmacêutica responsável pela fabricação da vacina, que informaram que outros casos semelhantes já foram registrados no país e que as crianças tiveram febre por dois dias, mas ficaram bem. Os órgãos também recomendaram que os bebês fiquem em observação por um período de dez a 15 dias.

Foto: Hélia Scheppa/Arquivo/SEI/Ilustração

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.