Novas diretrizes ampliam faixa etária para mamografia

Novas diretrizes ampliam faixa etária para mamografia

Exame agora é recomendado para mulheres dos 40 aos 74 anos ou mais em busca de diagnósticos precoces e vida mais longa

Segundo dados divulgados pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, em parceria com a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e a Sociedade Brasileira de Mastologia, a faixa etária de rastreamento do câncer de mama está mais extensa. Agora, o público feminino deve procurar fazer a mamografia a partir dos 40 e até 74 anos ou mais.

“Observamos que está havendo uma tendência à expansão na idade de rastreamento e, mais do que nunca, a informação é fundamental para prevenção, diagnóstico precoce e aumento da expectativa de vida. Cabe às instituições de Saúde e Educacionais promoverem e intensificarem medidas educativas, ações de incentivo ao autocuidado e estimularem uma mentalidade preventiva na população”, explica a médica ginecologista e professora do IDOMED, Mariana A. F. Arouca

De acordo com estudos, a profissional relata que uma célula mamária alterada pode levar cerca de 7 a 10 anos para se manifestar na forma de câncer detectável. Em contrapartida, com uma maior difusão da informação, avanços científicos, técnicas de diagnóstico e tratamento precoces de doenças, observamos cada vez mais um aumento da expectativa de vida da população feminina: em levantamento do IBGE em 2022, a expectativa de vida atingiu 80,67 anos em mulheres brasileiras, o que faz com que os cuidados devam ser mantidos por mais tempo.

A mamografia ainda é o principal meio de detecção, que pode ser incrementada por novas técnicas digitais de imagem, incidências especiais e técnicas compressivas dependendo do caso. Mulheres com próteses mamárias, dentro da faixa etária de rastreamento, também devem realizar o exame.

Já os casos específicos, relacionados a doenças genéticas, são um grande desafio para a definição de rastreamento e intervenções precoces. “Pacientes com forte história familiar de câncer de mama ou já diagnosticadas como portadoras de mutações genéticas devem ser monitorizadas em idades mais precoces, tanto com mamografia anual, a partir de 30-35 anos, como ressonância magnética das mamas, a partir de 20-30 anos, e ultrassonografia complementar, a depender do caso”, orienta Mariana.

Boas práticas de saúde, alimentação saudável, controle de peso, realização de atividade física regular e evitar hábitos nocivos, como álcool e tabaco, ainda são os pilares da prevenção de qualquer doença, seja ela metabólica ou neoplásica.

“Mesmo que ainda tenhamos divergências entre as recomendações dos protocolos de rastreamento do câncer de mama, entre Ministério de Saúde/INCA e as sociedades médicas, deve ser garantido o acesso ao atendimento de rotina ginecológica e a realização dos exames, dentro dos recursos disponibilizados e ofertados à população”, finaliza.

Sobre o IDOMED

O IDOMED é um grupo que reúne 17 escolas médicas e consolida a tradição de mais de 25 anos de experiência nesse segmento. Está presente em todas as regiões do país, com mais de 7,5 mil alunos e foco em excelência no ensino, aprendizado prático, tecnologia aplicada, desenvolvimento docente e conexão com a carreira médica. O grupo oferece programas de graduação, pós-graduação, especialização e cursos de aperfeiçoamento e atualização, e está entre os líderes na incorporação de tecnologia educacional voltada à formação em Medicina.

Foto: Pexels

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

MAIS LIDAS DO DIA

Casas Bahia abre vagas para PCD no Nordeste São João em Natal: Edição 2024 será mais modesta, diz prefeito Pesquisa Prefeitura de Natal 2024: Carlos Eduardo lidera levantamento do Instituto Seta MPRN recomenda que governo do RN não aumente salários nem faça concursos para evitar colapso fiscal Midway Mall comemora 19 anos com sorteio de três BYD zero quilômetro e desfile de moda Neoenergia Cosern é criticada por quedas de energia no Réveillon Festival MADA 2023 terá o ‘Baile da Amada’ Cosern é condenada a indenizar cliente por cobrança indevida por falha em medidor Influencer trans Flávia Big Big morre vítima de câncer Ambulância das drogas: Motorista do SAMU preso usava o veículo para transportar e vender maconha e cocaína Prefeitura de Natal lança concurso para procurador Lei Seca: Idoso é preso pela terceira vez dirigindo bêbado em Natal