Ronda de Proteção Ambiental resgata jiboia de 2,3 metros no bairro Pitimbu, Zona Sul de Natal - Por dentro do RN
Ronda de Proteção Ambiental resgata jiboia de 2,3 metros no bairro Pitimbu, Zona Sul de Natal

Ronda de Proteção Ambiental resgata jiboia de 2,3 metros no bairro Pitimbu, Zona Sul de Natal

Uma jiboia adulta de 2,3 metros de comprimento foi encontrada por populares nesta quinta-feira (26) na Rua Antônio Freire de Lemos, bairro Pitimbu, Zona Sul da capital potiguar. Agentes da Ronda de Proteção Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Ropam/GMN) estavam em patrulhamento quando receberam a informação que o animal estava em uma área urbana.

Os guardas realizaram o resgate da serpente e fizeram uma avaliação prévia de saúde do animal, quando foi detectado que o mesmo estava sem ferimentos nem sinais de adoecimento. De acordo com especialistas, esse tipo de serpente é mais ativo durante a noite. Entretanto, pode ser observada durante o dia em busca de um local para se abrigar. Elas são encontradas tanto no solo quanto sobre as árvores, e não é um animal peçonhento.

De acordo com o guarda municipal Giovani, mesmo a jiboia não sendo venenosa, é preciso que os populares tenham alguns cuidados para não serem picados ou feridos pela serpente. “É sempre mais seguro acionar as equipes de resgates de animais silvestres, pois já temos experiência para fazer a captura com segurança para o agente e para o animal”, explicou.

Além disso, de acordo com o herpetólogo e parceiro do Por Dentro do RN, o biólogo Henrique Charles, o comportamento predatório da jiboia aponta para morte por asfixia e não há “nenhum caso de morte de seres humanos por esses animais”. De acordo com a professora do Departamento de Herpetologia da UFRN, Eliza Freire, o encontro com serpentes nesse período do ano é totalmente comum, uma vez que os animais estão em sua fase reprodutiva e acabam ficando mais expostos nas áreas urbanas das cidades.

Após avaliação, a jiboia foi levada a área da Zona de Proteção Ambiental 01 (ZPA), onde fica localizado o Parque da Cidade do Natal. A serpente foi solta numa parte de mata nativa, sendo dessa forma reconduzida a natureza.

Os resgates desses animais silvestres em Natal estão sendo feitos em todos os bairros e, muitas vezes, a contribuição da população é um fator primordial no acionamento das guarnições para agir no trabalho de amparo, cuidado e destino correto desses animais. Sem essa ação das guarnições, os animais teriam poucas chances de sobrevivência.

Qualquer cidadão que se deparar com algum animal silvestre fora do seu habitat em Natal pode solicitar o apoio da Guarda Municipal através do Ciosp, ligando para o número 190.

Foto: Reprodução/Ronda de Proteção Ambiental

Siga o Por Dentro do RN também no Instagram e mantenha-se informado.

Leia mais sobre serpentes e sobre o trabalho do Corpo de Bombeiros e da Ronda de Proteção Ambiental da GMN no resgate a animais silvestres em Natal e no RN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Morre Marília Mendonça após acidente aéreo; veja fotos CINCO deputados do RN votam pelo furo do teto de gastos Após rompimento de parceria com o Flow Podcast, hackers invadem iFood, trocam nome de restaurantes e dão apoio a Bolsonaro Azul mira compra da Latam Airlines e visa à criação de gigante sul-americana Homem se dá mal após tentar jogar drogas pela janela em Mossoró Adolescente de 16 anos é suspeito de matar os próprios irmãos, de 2 e 4 anos, no Rio de Janeiro Preço da gasolina sobe 47% em 2021 e já custa R$ 7,29 em Natal após novo reajuste Cidade faz ‘recall’ de vacinação após enfermeira da Cruz Vermelha injetar água e sal na população Mulher dá à luz dentro de elevador de condomínio na Grande Natal Operação Falsos Heróis: Polícia Federal deflagra 2ª fase de operação contra contrabando de cigarros; um policial foi preso e outro afastado Vulcão Cumbre Vieja em La Palma não dá sinais de abrandamento Cocaína no Ceará tem tudo, menos o princípio ativo da droga